O carro elétrico/autônomo foi uma aventura que terminou antes da hora para muitas empresas

Unidades de controle, conexões à Internet, motores elétricos, baterias: a evolução do carro de um conjunto de componentes mecânicos dedicados ao movimento para um objeto tecnológico é uma realidade incontestável. Tanto é assim que mesmo as empresas que pouco tinham a ver com carros tentaram recentemente se lançar no setor de quatro rodas.

Mas o sucesso nunca é um tiro certeiro. A Dyson's, que levantou a bandeira branca em seu carro de emissão zero em outubro passado, é de fato apenas o último dos três grandes projetos colocados (momentaneamente?) na gaveta, por gigantes do calibre da Apple e do Google

Um jogo de 606 milhões de dólares

Vamos focar um momento no Sir James Dyson, que revelou muitos bastidores de seu projeto de carro elétrico ao Sunday Times. Dyson é o homem mais rico da Grã-Bretanha e construiu seu império em aparelhos eletrônicos de altíssimo desempenho.

Dyson, no setor automotivo, tentou: ele desenvolveu um projeto para um SUV elétrico, ele o construiu e também deu início aos testes de rodagem. Mas depois de dois anos de intenso trabalho, ele desistiu, torrando a fortuna de 500 milhões de libras (mais de 606 milhões de dólares) do seu próprio bolso.

Galeria: Dyson Car

Com a Tesla na mira

O carro assinado com Dyson tinha um peso de 2,6 toneladas, autonomia de 950 km, a capacidade de acelerar de 0 a 100 em 4,8 segundos e alcançar 210 km/h. O projeto, iniciado em 2017, envolveu o trabalho de 600 pessoas e apontou imediatamente para minar a posição da Tesla em matéria de emissões zero com um concorrente direto do Model X.

Ele não conseguiu. Entre os pontos críticos, que não foram superados em tempo útil: a disposição da empresa de usar imediatamente baterias de estado sólido (nas quais a Samsung está fazendo progressos importantes) e desenvolver novas tecnologias no campo da inteligência artificial.

O caso da Apple

Entre outras empresas ilustres que não conseguiram produzir um carro elétrico, não se pode deixar de mencionar a Apple. O Colossus de Cupertino, em 2014, inicia o Projeto Titan: 1.000 funcionários e um local secreto para dar vida ao primeiro carro da Apple, naturalmente elétrico e naturalmente autônomo.

Apple Electric Car

A empresa tenta, mas não consegue. Demissões e segundas intenções começam. Desde a produção de um carro inteiro, focamos apenas nas tecnologias de assistência à condução. Então tudo para. Pelo menos por alguns anos, porque os rumores do Vale do Silício dizem que a Apple ainda continua desenvolvendo tecnologias de direção autônoma. Mas como e com que esforços não se sabe, dado que não há notícias oficiais.

Carro do Google

Mesmo antes da Apple, desde o início dos anos 2000, até o Google se aventurou no design de um carro elétrico e autônomo. Filha do X Lab, a divisão dedicada a projetos especiais, o pequeno carro, codinome Firefly, é logo revelado ao público.

Possui linhas arredondadas e dimensões hipercompactas. O protótipo, que na aparência é apelidado de "coala", certamente desempenha a função de levar os seres humanos de um lugar para outro, mas é muito diferente do carro, como geralmente é conhecido.

Galeria: Google - carro autônomo

O projeto parece tão bem encaminhado que começam os rumores de que o Google poderia dividir a filial da empresa para criar uma empresa independente. Fala-se de colaborações ilustres também com os gigantes do setor automotivo, mas o desenvolvimento está ocorrendo lentamente.

O Firefly acabou sendo abandonado e, em 2009, o Google mudou de direção, deixando de lado todo o projeto do carro e, com Waymo, concentrando-se apenas em tecnologias de direção autônoma, também em colaboração com a FCA. E o desenvolvimento está atingindo níveis que preocupam seriamente a indústria automobilística européia.

Também temos a Sony

A Sony também entrou recentemente na briga, tentando manter um perfil discreto. A gigante de eletrônicos de consumo da CES 2020 apresentou o Vision-S, um conceito que representa um concentrado de tecnologia. A empresa japonesa disse que o carro não será comercializado, mas, além das declarações oficiais, sabe-se que o carro está em boas condições de funcionamento e que iniciou os testes de ajustes graças a uma colaboração com a Magna. Com desenvolvimentos pendentes nesta frente, já existem aqueles que imaginam uma versão SUV deste intrigante japonês.

Galeria: Sony Vision-S Concept