Apesar de fabricantes como Audi, Bentley, Mazda e até a McLaren estarem investindo na pesquisa desses combustíveis

Depois de sugerir que as montadoras cujo primeiro veículo elétrico não tenha sido crossover tinham a estratégia errada, desta vez o chefe de P&D da Mercedes-Benz, Marcus Schäfer, diz que pesquisar combustíveis sintéticos não vale a pena. Ele considera que não é uma alternativa viável aos combustíveis fósseis tradicionais ou aos novos meios de produção de energia.

Autocar cita Schäfer com a seguinte fala:

"Tomamos uma decisão clara de que nosso caminho será elétrico primeiro", disse ele. "Quando desenvolvemos novas plataformas, pensamos primeiro em eletricidade. Temos que observar a legislação e o comportamento do cliente, mas essa será a nossa principal estrada."

Então acrescentou:

"Se você tem energia em abundância, o melhor uso é colocá-la diretamente na bateria. Transformar energia verde em e-fuel é um processo em que você perde muita eficiência. Se houvesse mais energia limpa disponível, os primeiros clientes provavelmente estariam no setor de aviação. Muito, muito mais tarde - não vejo isso nos próximos 10 anos - virá a indústria automobilística."

Galeria: Mercedes-Benz EQE - projeção

Portanto, ele é basicamente a favor de investir mais em pesquisas com veículos elétricos movidos a bateria, mas suas opiniões não representam um consenso no setor. Outras montadoras estão investindo pesadamente no desenvolvimento de combustíveis sintéticos - a McLaren, por exemplo, está pesquisando combustíveis sintéticos, argumentando que são uma alternativa viável aos veículos elétricos.

Outra montadora que já teve sucesso na criação de combustível sintético é a Audi. Em 2015, a marca anunciou que havia produzido uma forma sintética de gasolina que não apenas queimava mais limpo que o material derivado de petróleo, mas também era uma mistura explosiva avaliada em 100 octanas.

Outros fabricantes interessados ​​ou que já desenvolvem combustíveis sintéticos são a Bentley e a Mazda. No entanto, outras empresas do segmento aeroespacial também estão interessadas e é aqui que um combustível sintético pode realmente ser usado comercialmente pela primeira vez e, eventualmente, acabar sendo usado também em carros, embora, a essa altura, haja mais veículos elétricos rodando, então os benefícios não serão tão significativos quanto seriam se um combustível sintético limpo fosse disponibilizado no futuro.

Fonte: Autocar