Marca premium irá utilizar tecnologias como o sistema e-Power em seus veículos

Poucos dias após divulgar seu plano estratégico para os próximos quatro anos, a Nissan divulga planos para a marca de luxo Infiniti. Ela irá abandonar seu próprio desenvolvimento e se concentrar na criação de carros elétricos baseados na tecnologia da Nissan. A informação foi dada em entrevista à Automotive News pelo diretor de marca Ashwani Gupta.

Nas últimas décadas, a Infiniti produziu sedãs e SUVs premium com base em suas próprias plataformas de tração traseira, que, se quando usadas em carros Nissan, foram destinadas principalmente ao mercado doméstico japonês. O objetivo dessa estratégia era impor concorrência frente às alemãs BMW e Mercedes.

Galeria: Infiniti QX Inspiration Concept

No entanto, isso acabou não acontecendo: em 2019, 189 mil carros Infiniti foram vendidos no mundo, contra 2,5 milhões de BMWs e 2,3 milhões de Mercedes. Agora, a empresa decidiu mudar a estratégia, abandonando suas próprias plataformas e oferecendo, em geral, versões aprimoradas dos enormes carros da Nissan.

Vale ressaltar que, como parte dessa estratégia, a marca premium emprestará a tecnologia e-Power da Nissan. Este é um acionamento híbrido leve, no qual o motor de combustão interna serve apenas para gerar eletricidade e não é mecanicamente conectado às rodas, e apenas um motor elétrico aciona os eixos.

No caso dos carros Nissan, a principal vantagem do sistema e-Power é que, do ponto de vista legal, os veículos equipados com ele são considerados veículos eletrificados, ou seja, seus clientes podem tirar proveito de todos os benefícios fiscais existentes. 

Supõe-se também que o acionamento Infiniti e-Power será aprimorado adicionando energia ao motor elétrico (ou talvez instalando dois motores elétricos), além de instalar uma bateria de tração maior e com a possibilidade de recarga, o que não é oferecido atualmente para os modelos da Nissan.

Dissemos anteriormente que o primeiro carro Infiniti totalmente elétrico aparecerá em 2022. Ninguém refutou esses planos ainda. Todavia, até 2025, todos os modelos de marca serão puramente elétricos ou híbridos.