De acordo com um estudo holandês, os cálculos anteriores baseavam-se em premissas erradas.

O fato de as pessoas precisarem recarregar seus carros elétricos é tanto sua força principal quanto supostamente seu calcanhar de Aquiles ao mesmo tempo. Eletricidade é o meio mais eficiente de se mover, mas os críticos dos elétricos dizem que a vantagem vai pelo ralo se as usinas de carvão estiverem na rede. Essa falácia não é a única em torno das emissões de veículos elétricos e GEE (gases de efeito estufa). Um estudo holandês afirma que todos os números até agora, mesmo os melhores, estão errados.

Em outras palavras, os carros elétricos iriam indiretamente emitir muito menos carbono e outros gases do que estudos anteriores com base em seis erros principais que eles cometeram ao longo desse tempo. O estudo - conduzido por Auke Hoekstra e Professor Maarten Steinbuch, da Universidade de Tecnologia de Eindhoven - lista um por um.

O primeiro é um exagero ao estimar a quantidade de carbono liberada na produção de baterias. De acordo com os pesquisadores holandeses, as referências mais aceitas por eles (Buchal, Karl e Sinn, ADAC, ÖAMTC e Joanneum Research) assumem que o processo emite 175 kg de CO2 por kWh de bateria. 

mercedes-benz-cars-starts-local-battery-production-in-bangkok

Todos eles são baseados em um estudo Romare e Dahllöf de 2017. Em 2019, esse estudo foi atualizado e reduziu sua estimativa de dióxido de carbono emitido na fabricação de baterias de 175 kg/kWh para 87 kg/kWh. Só isso reduziu as emissões de GEE pela metade.

Um estudo da Mazda publicado em 2019 usa números ainda mais antigos para apoiar a decisão da empresa de ter uma pequena bateria no MX-30. Era para ser o primeiro elétrico dedicado da Mazda, mas acabamos descobrindo que seria uma espécie de Hyundai Ioniq, com uma versão híbrida.

O esforço da Mazda em apresentar seu carro como um exemplo de eficiência seria ainda mais esmagado com o estudo holandês. Com base em publicações recentes que mencionam números de CO2 de 40 kg/kWh a 100 kg/kWh, estabeleceu-se uma média de 75 kg/kWh. Muito mais baixo do que os números que as pessoas preferiam acreditar.

mazda-la-giusta-misura-dell-elettrico

O segundo erro em estabelecer a pegada de carbono dos veículos elétricos é uma subestimação da vida útil das baterias. Os mesmos estudos que mencionamos antes acreditam que os EVs têm uma vida útil média de 150.000 km

Já falamos sobre baterias de milhões de milhas de SVolt e CATL que em breve estarão em produção para os carros elétricos. Mesmo antes disso, o relatório holandês estima a vida útil atual do carro elétrico em 250.000 km. E ainda vai melhorar rapidamente.

O terceiro erro é presumir que a produção de elétrica será sempre tão poluidora como no momento em que cada veículo elétrico cai na estrada pela primeira vez. A verdade é que está ficando mais limpa. Por coincidência, a BloombergNEF publicou em 1º de setembro que a energia solar e eólica representaram 67% de toda a nova capacidade de energia adicionada no mundo em 2019. As fontes de combustível fóssil para eletricidade diminuíram 25 por cento. Lembre-se de que estamos falando de um único ano.

tesla-battery-day-svolt-announces-cobalt-free-li-ion-battery-production

Os três outros erros são menos relevantes para seu ponto de vista. Os pesquisadores holandeses argumentam que confiar em centros de testes pagos pelas montadoras é suspeito, por exemplo, mas não quantificam como isso afetaria os números reais.

O que dizem é que o NEDC foi um padrão que permitiu o surgimento do escândalo Dieselgate e que ainda é o padrão adotado por estudos que criticam os carros elétricos. O WLTP traria a esperança de testes menos tendenciosos.

windmills-for-electric-power-production-in-aragon-spain

O quinto erro que eles apontam faz todo o sentido. Se as pessoas calculam quanto dióxido de carbono a bateria emite na fabricação, por que não calcular quanto é gerado ao refinar o petróleo em seus derivados? 

Os pesquisadores holandeses calcularam que você teria que adicionar 30% a mais de emissões a qualquer carro que use gasolina e 24% a mais àqueles a diesel apenas no processo de destilação. Dito isso, as emissões de GEE por litro são de 3.140 g para o primeiro e 3.310 g para o segundo.

Finalmente, eles argumentam que insistir em motores de combustão interna é um erro porque eles não podem evoluir muito mais. Mesmo se descobrirmos um combustível renovável sintético revolucionário, eles não terão muito mais eficiência energética. Uma boa parte dele será perdida, enquanto os carros elétricos são eficientes por natureza. Qualquer estudo sério sobre emissões indiretas de veículos elétricos teria que considerar isso. 

Temos certeza de que esses números serão atacados e contestados mais cedo ou mais tarde. Independentemente disso, as críticas aos carros elétricos continuarão com elementos de melhoria, como baterias e células de combustível mais eficientes. Afirmar que eles são tão poluentes ou mais do que carros com motor a combustão é algo que nem mesmo pessoas muito inocentes ou desinformadas compram mais.