Aeronave zero emissões tem previsão de iniciar a operação comercial em 2035

A gigante aerospacial Airbus apresentou na manhã desta segunda-feira (21), três protótipos que no futuro serão os primeiros aviões 100% elétricos com zero emissões a iniciar a operação comercial no mundo. Movidas a hidrogênio, as aeronaves poderão operar rotas curtas, médias e também de longa distância - o objetivo é iniciar a operação comercial em 2035.

Cada um dos três conceitos exploram diferentes formas de tecnologia e configurações aerodinâmicas para atingir o zero líquido. Os protótipos de aeronaves da empresa sediada em Toulouse, França, possuem todos o codinome "ZEROe'

Galeria: Airbus ZEROe

  • Um projeto turbofan (120-200 passageiros) com autonomia de mais de 2.000 milhas náuticas, capaz de operar transcontinentalmente e alimentado por um motor de turbina modificado para funcionar com hidrogênio, em vez do combustível de jato, por meio de combustão. O hidrogênio líquido será armazenado e distribuído por meio de tanques localizados atrás do anteparo de pressão traseira. 
  • Um projeto turboélice (até 100 passageiros) usando um motor turboélice em vez de um turbofan e também alimentado por combustão de hidrogênio em motores de turbinas modificadas, que seriam capazes de viajar mais de 1.000 milhas náuticas, tornando-se um opção perfeita para viagens curtas.
  • Um conceito de design de "fuselagem de asa mista" (até 200 passageiros) em que as asas se fundem com a fuselagem principal da aeronave com um alcance semelhante ao do conceito turbofan. A fuselagem excepcionalmente larga abre várias opções para armazenamento e distribuição de hidrogênio e para o layout da cabine. 

De acordo com a Airbus, para enfrentar esses desafios, os aeroportos exigirão uma infraestrutura significativa de transporte de hidrogênio e reabastecimento para atender às necessidades das operações do dia-a-dia. O apoio dos governos será fundamental para atender a esses objetivos ambiciosos com maior financiamento para pesquisa e tecnologia, digitalização e mecanismos que incentivem o uso de combustíveis sustentáveis ​​e a renovação das frotas de aeronaves para permitir que as companhias aéreas retirem as aeronaves mais antigas e menos ecológicas de circulação mais cedo. 

Guillaume Faury, CEO da Airbus, disse:

"Esses conceitos nos ajudarão a explorar e amadurecer o projeto e o layout da primeira aeronave comercial do mundo neutra para o clima e com emissão zero, que pretendemos colocar em serviço até 2035.

A transição para o hidrogênio, como fonte de energia primária para esses aviões conceituais, exigirá uma ação decisiva de todo o ecossistema da aviação. Juntamente com o apoio do governo e de parceiros industriais, podemos enfrentar o desafio de aumentar a energia renovável e o hidrogênio para o futuro sustentável da indústria da aviação."

Fonte: Airbus