“Na verdade, a maior parte dos comentários da imprensa foi um triste reflexo de sua compreensão.”

Chame isso de ironia no melhor estilo: Elon Musk e a Tesla têm um relacionamento ruim - se é que existe - com a imprensa. O Battery Day não contou com a presença de nenhum jornalista para fazer perguntas sobre o que foi revelado no evento. No entanto, Musk não se sentiu envergonhado de dizer "a cobertura da imprensa deste evento foi triste" para a jornalista Kara Swisher.

Ela conseguiu gravar um podcast com ele, o que já é um grande feito. Seu novo podcast com o The New York Times se chama Sway e tem o objetivo de entrevistar pessoas influentes. Os comentários de Musk sobre a cobertura do Battery Day da Tesla aconteceram logo no início do episódio do podcast.

Galeria: Tesla Battery Day 2020

Não está claro como a conversa começou ou quando chegou ao evento. Na verdade, parecia ser sobre manufatura e como "a pessoa média" e as "pessoas inteligentes de Wall Street" não têm "a menor ideia" de como ela é complexa. A referência a Wall Street deve ser sobre como o Tesla Battery Day saiu pela culatra, mesmo que as ações da Tesla estejam atualmente se recuperando.

Foi então que Musk se referiu à cobertura da imprensa. Ele também disse que era "um triste reflexo de sua compreensão", dando a entender que a imprensa não "entendeu a mensagem". Considerando que ele também disse que Bill Gates não "tem ideia" sobre caminhões elétricos, não é nenhuma surpresa que ele pense que a imprensa ou analistas de Wall Street não tenham inteligência para entender o que ele está falando.

Infelizmente, Swisher pareceu confirmar que parte da mídia não entendeu o evento quando ela sugeriu que o Battery Day de Tesla "não tinha bateria". Sim, e mais de uma. Musk apresentou as células 4680 - mesmo que ainda não estejam disponíveis - e revelou que o carro mais barato da Tesla de US$ 25.000 teria baterias LFP (fosfato de ferro-lítio). Musk também disse que os protótipos estão funcionando com as novas células de baterias 4680 desde maio de 2020 - ainda não tínhamos uma data do início do uso.

Nesse ponto, o CEO da Tesla revelou alguma frustração com a conversa. Ele perguntou a ela: "Por que estamos fazendo isso - qual é o objetivo deste podcast?" Ela perguntou onde ele queria chegar com as baterias, e ele repetiu o velho discurso de que precisamos produzir "um número verdadeiramente quase inimaginavelmente vasto de células" porque "a energia sustentável é principalmente solar e eólica".

A conversa então mudou para sustentabilidade, política e outros assuntos. Ainda assim, a ironia central aqui é como Musk esperava ter um resultado diferente se a Tesla não queria falar com a imprensa. É como negar a um cozinheiro todos os ingredientes de que ele precisa e reclamar da qualidade da comida.

Ou ele e sua empresa confiam na imprensa - ou pelo menos em parte dela - e garantem a ela os meios para uma cobertura abrangente, ou não confiam e não têm expectativas sobre seu trabalho. Uma vez que este parece ser o caso aqui, o que quer que venha da mídia não deve ser triste nem feliz. Tesla e Musk deveriam ver isso como algo tão irrelevante quanto as perguntas que a empresa se recusa a responder.

Alguns repórteres decidiram comentar as observações de Musk, como Dana Hull.

 

Hull também discutiu a primeira reação de Wall Street ao evento.

 

Independentemente do que os jornalistas acreditem ou queiram, eles não estão fazendo seu trabalho se não fizerem as perguntas necessárias. Ser suave com as pessoas e empresas que admiram e severo com as que não admiram os torna parte de equipes de RP, não de empresas de jornalismo. Como alguém disse (não George Orwell, aparentemente), "notícia é o que alguém não quer que você publique. Todo o resto é propaganda".

Lora Kolodny usou o sarcasmo para mostrar como isso funciona no tweet abaixo.

 

Se o Tesla Battery Day não teve a cobertura de imprensa que Musk esperava, por que ele e sua empresa não forneceram uma seção de perguntas e respostas com jornalistas que eles respeitam e acreditam ser inteligentes o suficiente para entender a mensagem? Por que eles não tentaram "explicar para eles", como sugeriu Swisher? O que não é produtivo é afirmar que, "como sempre, ainda não entendemos", como o apresentador do podcast resumiu a situação - nem ficar frustrado se alguns realmente não entenderem.