Divisão de Ônibus e Caminhões confirmou que as primeiras unidades serão entregues em 2021

  • Novos veículos começam a rodar pelas ruas de São Paulo e Rio de Janeiro já no próximo ano
  • O lote faz parte do plano da Ambev de ter 1.600 caminhões VW elétricos na sua frota parceira até 2023

Após dois anos de testes e desenvolvimento, a VW Caminhões e Ônibus confirmou de forma oficial a venda das primeiras 100 unidades do caminhão elétrico e-Delivery à Ambev. Os veículos serão entregues no segundo semestre de 2021 e utilizados no serviço de distribuição de bebidas com emissão zero da empresa. O acordo faz parte do compromisso da companhia de ter 1.600 caminhões elétricos da marca alemã na sua frota parceira até 2023.

Nessa primeira fase, o caminhão 100% elétrico rodou mais de 30.000 km em testes que foram realizados em condições reais de uso. Agora, o e-Delivery passará a ser produzido em grande escala no Centro de Desenvolvimento e Produção da VW Caminhões e Ônibus em Resende (RJ).

“Comprovamos que novas fontes de energia por meio de soluções viáveis e concretas já se tornaram realidade com a chegada do e-Delivery, que foi testado e aprovado com excelentes resultados nas ruas de São Paulo, uma das maiores capitais do mundo. Essa iniciativa entra para a história da indústria automotiva mundial, pois somamos forças para viabilizar a produção dos primeiros caminhões elétricos desenvolvidos e feitos no Brasil”, celebra Roberto Cortes, presidente e CEO da VW Caminhões e Ônibus.

Galeria: Volkswagen e-Delivery

De acordo com a empresa, o caminhão elétrico é recarregado com 100% de energia vinda de fontes limpas, como eólica, solar e 43% que provém do próprio sistema regenerativo de freios do veículo. O plano é que os veículos sejam recarregados em uma das 48 usinas solares que a Ambev está implementando nos seus Centros de Distribuição (CDDs) espalhados pelo Brasil.

O Volkswagen e-Delivery está equipado com um motor elétrico produzido pela WEG de 109 cv de potência e 50,1 kgfm de torque associado a uma transmissão automática. O sistema é alimentado por baterias de lítio-ferro-fosfato (LFP) da chinesa CATL importadas pela Moura que garantem autonomia de 200 km - o tempo para recarga completa é de 3 horas (carregamento lento) ou 30% de autonomia em 15 minutos (carga rápida).