Parceria com a ZeroAvia completou voo com 6 passageiros: objetivo agora é voar com aeronaves maiores

O hidrogênio pode representar uma solução ideal em muitos campos da mobilidade zero emissão. Além de trens e caminhões, parece querer começar a se destacar também no transporte aéreo, graças à extraordinária evolução das células a combustível. A Airbus aposta nisso, tanto que apresentou três aeronaves que estrearão em 2035 e a British Airways também segue pelo mesmo caminho, se aliando à ZeroAvia, empresa californiana que atua na transição energética aplicada ao transporte aéreo.

O anúncio da colaboração entre a empresa de aviação inglesa e a ZeroAvia chega em um momento simbólico na aviação civil britânica. Esta semana, de fato, a British Airways aposentou o último exemplar da frota de Boeing 747, uma aeronave que simboliza uma era que pode nunca mais voltar após as pandemias e as novas tecnologias.

Galeria: British Airways: avião a hidrogênio

Teste de campo

A colaboração entre as duas empresas faz parte do programa Hangar 51 que visa o desenvolvimento de novas formas de transporte aéreo com baixo impacto ambiental. Isso levou à criação de uma equipe de especialistas de ambas as companhias aéreas que trabalharão lado a lado para desenvolver soluções que permitirão à British Airways trocar o combustível fóssil por hidrogênio para a futura frota da companhia aérea.

Mas em que ponto estamos? ZeroAvia é a primeira empresa no mundo capaz de concluir um voo movido a célula de combustível de hidrogênio de uma aeronave de tamanho comercial. A aeronave em questão, uma classe Piper M de seis lugares, decolou do aeroporto de Cranfield, próximo a Londres, e completou o táxi, a decolagem, a perna completa e o pouso com sucesso.

Uma solução escalável

Sean Doyle, CEO da British Airways, disse:

"A British Airways está comprometida com um futuro sustentável e com a obtenção de emissões líquidas de carbono zero até 2050. No curto prazo, isso significa melhorar nossa eficiência operacional e introduzir projetos de compensação e remoção de carbono, embora a médio e longo prazo nos esforcemos para desenvolver combustível de aviação sustentável. É por isso que estamos procurando maneiras de acelerar o crescimento de novas tecnologias, como aeronaves movidas a hidrogênio com emissão zero."

Sergey Kiselev, chefe da divisão europeia ZeroAvia, explicou o que devemos esperar do futuro.

"Nossa missão - disse ele - é acelerar a transição do mundo em direção a um voo verdadeiramente zero emissão. Acreditamos que o hidrogênio é a melhor maneira de conseguir isso rapidamente. No início deste ano, demonstramos que voos de hidrogênio são possíveis. Agora vamos escalar essa tecnologia para fornecer energia a aeronaves maiores em distâncias maiores."

800 km em 2023

Nos planos da ZeroAvia já em 2021 eles vão tentar voar com hidrogênio com aeronaves maiores. Até chegar em 2023 para pilotar aeronaves com 20 passageiros em distâncias de até 800 quilômetros. Em 2027, serão colocados em serviço novos motores que permitirão transportar até 100 passageiros em 800 km e em 2030 transportar mais de 100 passageiros em rotas acima de 1.600 km.

  Passageiros Km
2020 6 (20 minutos)
2023 20 até 800
2027 100 Mais de 800
2030 100+ Mais de 1.600

O roteiro para voos com emissão zero está desenhado. E será percorrido graças ao Jet Zero Council, parceria entre governo e indústria da qual fazem parte a British Airways e a ZeroAvia para realizar projetos de emissão zero para os setores de aviação e aeroespacial.