Havia expectativa de que o SUV elétrico fosse produzido no próprio país, na fábrica de Sunderland

A decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia, um movimento conhecido como Brexit, forçou a Nissan a reconsiderar seu plano de fabricar o crossover elétrico Ariya em sua unidade de produção de Sunderland, na Inglaterra. Na verdade, o futuro da fábrica corre perigo, já que a maioria dos carros produzidos lá eram vendidos para a U.E. e agora podem estar sujeitos a tarifas de 10%.

Atualmente, cerca de 7.000 pessoas trabalham na fábrica e, embora tenha sobrevivido ao recente plano de reestruturação global da Nissan, ainda não está com o seu futuro garantido, especialmente se a Nissan não conseguir fechar seu próprio acordo com a U.E. e o Reino Unido para poder exportar carros para a Europa em termos semelhantes aos dos dias anteriores ao Brexit. As negociações ainda estão em andamento e o assunto não está encerrado. 

Galeria: Novo Nissan Ariya 2021

Então, como ficam as unidades do Ariya que seriam vendidas na União Europeia? Bem, o portal Nikkei Ásia relata que, se o acordo não for fechado, a Nissan provavelmente os importará do Japão, cujo acordo com a U.E. significa que eles têm uma tarifa de apenas 7,5%. Na verdade, essa tarifa será completamente eliminada em 2026, portanto, planejando com antecedência, isso ainda faz sentido para a Nissan.

Isso significa que, tanto para a Europa quanto para a América do Norte e a maioria dos outros mercados, a Nissan enviará unidades do elétrico Ariya de sua fábrica localizada em Tochigi, Kaminokawa, nas proximidades de Tóquio. Para a China, os veículos serão fabricados pela Nissan localmente, possivelmente por meio de um acordo de joint venture.