O alcance dos carros elétricos cresceu rapidamente em um curto período de tempo

De acordo com o levantamento feito pelo Office of Energy Efficiency & Renewable Energy, pela primeira vez, a autonomia média de todos os veículos elétricos disponíveis para venda ou aluguel nos EUA em 2020 ficou acima dos 402 km por carga. 

Isso é quase quatro vezes o resultado da autonomia média há nove anos em 2011, quando era de apenas 110 km por carga. Na verdade, em 2011, o alcance máximo entre todos os elétricos era 151 km por carga, no caso, um BMW ActiveE. 

O Chevrolet Bolt deve ter sido o elétrico com o alcance mediano porque o site diz que são 416 km, que é a autonomia do modelo certificado pela agência EPA. Para ser claro, a mediano não representa a faixa média, e sim o valor médio, então deve haver muitos elétricos com uma autonomia maior do que Bolt, quanto menor. 

Os carros da Tesla estão liderando a lista quando se trata de autonomia e possui todos os resultados de valores máximos, incluindo o carro com a maior autonomia disponível, o Tesla Model S Long Range Plus com um alcance de 647 km homologado pela EPA. No final da lista está o MINI Cooper SE com um alcance EPA de apenas 177 km com uma carga. 

No site Energy.gov:

Ano modelo Autonomia (mediana) Autonomia máxima

2011

109 km 151 km
2012 122 km 426 km
2013 132 km 426 km
2014 135 km 426 km
2015 145 km 434 km
2016 350 km 507 km
2017 312 km 540 km
2018 342 km 540 km
2019 384 km 595 km
2020 416 km 647 km

Em 2021, a Tesla não será mais o único fabricante a vender elétricos com mais de 482 km de autonomia. A Lucid Motors começará a vender seu sedã Air que promete mais de 804 km de alcance e a Rivian apresentará a picape R1T e seu SUV R1S, ambos capazes de entregar mais de 480 km de alcance. Portanto, é possível que o intervalo médio suba ainda mais do que em 2020. 

Esta é uma ótima notícia para a indústria. Embora muitas pessoas possam realmente não precisar que seu carro tenha mais de 482 km de alcance, para muitos, a percepção é de que ele precisa, e isso se torna sua realidade. A adoção convencional de veículos elétricos não será possível até que o elétrico médio tenha, ao menos, tanta autonomia quanto o veículo médio à gasolina ou a diesel tem hoje. 

Obviamente, existem outros obstáculos, como custo e tempo de carregamento, mas, como acontece com a autonomia, esses problemas sendo mitigados a cada ano. Muitos especialistas acreditam que em 2024 os veículos elétricos terão alcançado a paridade com os veículos a combustão em custo e alcance.

Quando isso acontecer, a única peça que falta no quebra-cabeça será a infraestrutura de carregamento público, e isso também continua a melhorar. 

Galeria: Hyundai Kona Electric - recorde de autonomia