Matéria do Business Insider diz que a Fisker tem o potencial de ser um disruptor maior do que a Tesla jamais foi

Henrik Fisker pode não ter conseguido fazer carros pela primeira vez com a Fisker Automotive, embora o Fisker Karma original ainda viva como o Karma Revero, mas agora espera-se que ele se saia muito melhor com a startup de carros elétricos Fisker Inc., lançada em 2016, de acordo com uma matéria do Business Insider.

No início, Fisker queria que esta nova empresa se concentrasse no trabalho de design e carros-conceito, mas em 2020, ele reinventou seu modelo de negócios. Foi anunciado que a Fisker Inc. iniciaria a produção de seu primeiro modelo, o SUV elétrico Ocean, com preço a partir de US$ 37.500 (R$ 207.800), que estrearia em 2022, assim como o fato de que este não seria o único modelo no cronograma. 

Galeria: Fisker Ocean

A empresa agora é administrada de acordo com o chamado modelo de negócios asset-light, o que basicamente significa que tudo é terceirizado e que todas as peças se encaixam. Nas próprias palavras de Henrik Fisker:

"Se eu sou arquiteto, preciso fazer meus próprios tijolos? Não, mas preciso que os tijolos se juntem no lugar certo. Não queremos ser uma empresa automobilística verticalmente integrada. Não vamos fazer nossa própria produção. Seria estúpido para qualquer startup de elétricos fazer uma fábrica totalmente nova."

O Fisker Ocean, por exemplo, será construído pela Magna em uma plataforma elétrica feita sob medida. Essa abordagem também permite que a Fisker seja mais flexível e se adapte mais rapidamente às mudanças nas condições do mercado. O CEO da Magna International, Swami Kotagiri, explicou o seguinte:

"Não podemos esperar pelo ciclo normal de cinco a dez anos. Os requisitos de energia podem ser diferentes. Não queremos ter que derreter novamente e despejar novamente."

Fisker Ocean

Mas poderíamos realmente ver a Fisker como um grande divisor de águas do modelo de negócios automotivo tradicional como a Tesla? Esta última inegavelmente ajudou a sacudir a indústria e forçou as montadoras estabelecidas a tentarem acompanhar suas ofertas elétricas, mostrando assim suas limitações - são todos grandes conglomerados que não podem implementar mudanças tão rapidamente quanto é necessário em algumas situações, então Fisker acredita que a flexibilidade de seu modelo de negócios ajudará a empresa a se tornar e a permanecer relevante.

Agora, mesmo que os produtos da Tesla sejam bastante diferentes do que o establishment (ainda) tem a oferecer, a empresa ainda se comporta como uma montadora tradicional, pois possui todas as suas instalações de produção e quase nunca terceiriza qualquer parte de seus negócios.

Fisker Ocean 2021

Com isso em mente, de acordo com esta nova matéria publicada no Business Insider, embora a Tesla tenha mudado a cara do setor para sempre, não poderia ser classificada como disruptiva. A fonte cita uma entrevista mais antiga com Clayton Christensen, autor de um livro chamado The Innovator's Dilemma, que afirmou o seguinte sobre a Tesla:

"Você poderia usar muitas características para descrever a Tesla. Eles são muito criativos. Eles entendem que as tarefas precisam ser feitas. A tecnologia deles é muito boa. Mas não consideraríamos a Tesla perturbadora. Eles estão tentando fazer bons produtos. Nosso modelo é, muito, muito claro neste ponto."

De acordo com Christensen, a empresa de Elon Musk não é um perturbadora porque não se encaixa na descrição padrão de um. Conforme explicado no artigo de origem:

"O conceito central é que as empresas estabelecidas, como as montadoras de Detroit, são interrompidas por novos concorrentes que inicialmente oferecem um produto mais barato, de qualidade inferior, mas satisfatório. Os consumidores gastam seus dólares, os disruptivos melhoram suas ofertas e os concorrentes eventualmente não conseguem mais acompanhar as inovações."

E é aqui que Fisker chega muito mais perto de ser um verdadeiro disruptivo: ele não quer se tornar como as montadoras tradicionais e, ao contrário da Tesla, seu primeiro carro não custa US$ 100.000, tornando-o um item de luxo caro, e uma vez que o Ocean é projetado para custar bem menos da metade disso, tem o potencial de ser mais atraente para mais pessoas.

Teremos que esperar para ver se essa abordagem disruptiva valerá a pena para a Fisker, que já tem planos de lançar um segundo modelo (mais barato) depois do Ocean. Curiosamente, não será desenvolvido com a Magna, mas com a fornecedora taiwanesa da Apple, a Foxconn.

Siga o InsideEVs Brasil no Twitter

Siga o InsideEVs Brasil no Facebook

Siga o InsideEVs Brasil no Instagram