CEO da Tesla teria pedido ao governo britânico uma ação tributária contra carros com motores a combustão

O Reino Unido já disse que aposentará motores a combustão até 2030. Elon Musk, na Inglaterra, encontrou um terreno fértil em termos de transição energética, mas não satisfeito com o que o governo já decretou, ele também teria pressionado as autoridades a aumentarem os impostos sobre os carros com motores a gasolina e a diesel

Segundo o The Guardian, ele teria pedido um aumento no preço de compra e na tributação do diesel e da gasolina, tudo isso para que haja mais recursos disponíveis para incentivos aos carros elétricos. Mas não se trata apenas disso, como veremos. O resultado, porém, foi muito diferente do que se esperava.

Galeria: Nissan - placas de veículos verdes

O chefão da Tesla também teria apreciado a adoção no Reino Unido de uma medida semelhante à que está em vigor na Noruega, para a qual os carros com emissão zero estão praticamente isentos de IVA. Além disso, também parece ter avançado a hipótese de fixar um teto mínimo para carros elétricos que devem ser vendidos por todos os fabricantes, um pouco como o que acontece na Califórnia. 

Agora, é improvável que seja por causa das manobras de Musk, mas é uma curiosa coincidência que o governo britânico tenha decidido nesta semana, com efeito imediato, cortar incentivos para a compra de carros elétricos. O bônus foi reduzido de 3.000 para 2.500 libras (R$ 19.000) e o teto de gastos foi fixado em 35.000 libras (R$ 265.400), enquanto que anteriormente era possível solicitar o incentivo para a compra de carros elétricos com preços de até 50.000 libras (R$ 379.200).

Volkswagen ID.3 - loja - Reino Unido

As autoridades explicaram o motivo da manobra: "Com esses ajustes, os recursos ficarão à disposição de um maior número de pessoas e, embora não haja mais comodidade na compra de carros elétricos de alto padrão, mais motoristas vão migrar para o carro com emissões zero". Também porque, deve-se notar, os modelos a bateria abaixo do novo limite estão se tornando cada vez mais numerosos.

Se as propostas de Palo Alto tivessem sido aceitas, comprar um carro a gasolina ou diesel no Reino Unido teria custado alguns milhares de libras a mais, efetivamente tornando os elétricos mais acessíveis já no momento da compra. E é exatamente sobre isso que a Tesla enfatizou: "Se o governo adotar as medidas sugeridas, a operação, do ponto de vista econômico, seria um ponto de equilíbrio total".

No entanto, a Tesla obviamente não foi o único a recorrer ao governo de Londres para proteger seus interesses. De acordo com pesquisa da InfluenceMap, empresa que monitora atividades de lobby, de 2017 a 2020 os fabricantes de carros pró-elétricos teriam se encontrado com as autoridades britânicas 153 vezes.

Um grande número, é claro. Mas inferior ao dos fabricantes que pediram um fechamento menor em relação às fontes de alimentação tradicionais, que tiveram uma audiência 209 vezes. Mecanismos diante dos quais, no mundo de hoje, certamente não podemos nos surpreender. Desde que, no entanto, a transparência domine. E que os interesses reais dos cidadãos ditem as regras.

Siga o InsideEVs Brasil no Twitter

Siga o InsideEVs Brasil no Facebook

Siga o InsideEVs Brasil no Instagram

Galeria: Tesla Model 3