A Agência Internacional de Energia não tem dúvidas: o pico continuará sendo o de 2019 e com a eletrificação não há volta

O último relatório da AIE, Agência Internacional de Energia, atesta um fato histórico: a demanda por gasolina já atingiu seu ponto mais alto e a partir de agora só tende a diminuir. Em particular, a partir dos cálculos da agência, parece que o pico foi atingido em 2019, e a partir daí ocorreu um declínio do qual não haverá mais volta.

Pandemia, transição energética e meios de transporte cada vez mais eficientes estão revolucionando a forma como as pessoas se locomovem. A demanda por gasolina, que entrou em colapso em 2020 devido aos bloqueios, já havia começado a diminuir no ano anterior e, mesmo superada a emergência da Covid-19, não voltará mais aos níveis de dois anos atrás.

petroleo

O fim de uma era

É claro que, nos países em desenvolvimento, a demanda ainda deve crescer sustentada pela industrialização e expansão do mercado automotivo. Mas será amplamente compensado pelo aumento da eficiência dos carros com motores de combustão interna e pela crescente difusão dos veículos elétricos em nações mais avançadas. 

Junto com a redução do consumo devido ao aumento do trabalho remoto, que provavelmente continuará no futuro próximo, segundo analistas da maior autoridade mundial em energia, o caminho percorrido é de mão única, sem volta.

Shell fast charger

O petróleo ainda é necessário

Um pouco melhor será o mercado de petróleo em geral, que, ao contrário da gasolina, ainda está crescendo. A pandemia revisou para baixo as estimativas e, de acordo com as projeções, só voltará aos níveis de 2019 em 2023, mas o mercado continua querendo cada vez mais petróleo. É por isso que o preço está subindo e chegou a quase US$ 70 o barril.

Mas não se deixe enganar. Alguns viram nessa tendência o início de um super-ciclo que poderia levar a um aumento significativo do valor do petróleo nos próximos anos. A AIE não compartilha da mesma opinião, explicando:

"A forte alta do petróleo para quase US$ 70 o barril levou a se falar de um novo super-ciclo e de uma escassez iminente de oferta. Mas nossos dados e análises sugerem o contrário"

Isso ocorre por algumas razões:

Redução da oferta: um dos motivos que impulsionaram o preço do petróleo bruto está no fato de a OPEP + (organização dos países exportadores de petróleo e seus aliados) ter reduzido as quantidades de barris colocadas no mercado. Isso não significa que não haja espaço para aumentar novamente o número de barris à venda, é apenas um movimento comercial para maximizar os lucros no curto prazo.

Aumento dos estoques: em antecipação a uma recuperação em grande escala das atividades após o fim da pandemia, os setores industriais decidiram comprar mais petróleo do que o necessário, para não ficarem "secos" quando precisarem. Mas o que está sendo comprado excede as necessidades reais do momento. 

Fiat 500 elétrico - produção em Mirafiori

Um problema de mercado

Analisando a situação, podemos perceber como os preços estão subindo devido a uma questão de equilíbrio entre oferta e demanda no futuro imediato.

"A perspectiva de recuperação da demanda pós-pandêmica e a continuidade da restrição da produção indicam uma nova queda dos estoques no segundo semestre - disse a agência - e por isso os preços estão subindo".

Mas os mercados terão petróleo bruto suficiente para abastecer todos os tipos de negócios. Atividades, acrescenta a AIE, que devido ao efeito da pandemia e às políticas de muitos estados estão, em todo caso, se tornando cada vez menos dependentes do petróleo, mudando para sempre a demanda por aquilo que em breve não será mais chamado de "ouro negro". Por esta razão, é improvável que o preço dos barris de petróleo bruto suba significativamente mais por muito tempo. 

Siga o InsideEVs Brasil no Twitter

Siga o InsideEVs Brasil no Facebook

Siga o InsideEVs Brasil no Instagram

Galeria: Fiat 500 elétrico - linha de produção na fábrica de Mirafiori