Nova Delhi está pronta para lançar um plano de US$ 8 bilhões em subsídios para atrair fabricantes de automóveis e componentes

A Índia quer forçar sua entrada no jogo global dos carros elétricos. Tendo escapado do poder esmagador chinês, contra o qual a Europa se defendeu com a Battery Alliance da UE, no leste agora há outro gigante contra o qual lutar. Na verdade, Nova Delhi finalmente compreendeu muito bem a importância de embarcar na tendência dos carros elétricos.

E assim, após cortejar descaradamente Elon Musk, com uma oferta que o CEO da Tesla dificilmente poderá recusar, o governo liderado por Narendra Modi decidiu lançar um mega plano de incentivos no valor de 8 bilhões de dólares em cinco anos para atrair investimentos de fabricantes de automóveis e de componentes ao país. Com foco, evidentemente, na eletrificação.

Galeria: Tata Nexon EV

O plano de Modi

O projeto, que será anunciado ao mundo nas próximas semanas, foi parcialmente antecipado pela Reuters e espera atrair nada menos que US$ 14 bilhões em novos investimentos para a Índia. Uma quantia impressionante, que de acordo com o plano se traduzirá na criação de 5,8 milhões de empregos e um aumento de receita de US$ 4 bilhões no período de cinco anos.

Perspectivas que vão fazer soar alguns alarmes em Bruxelas, sede da União Europeia, empenhada como nunca antes em tornar a Europa o primeiro protagonista mundial dos carros elétricos. Mesmo já tendo alcançado resultados importantes: basta lembrar que os investimentos no setor superaram os da China.

A chegada de um competidor gigante como a Índia ao som de concessões, aliás, pode despertar agora o interesse de muitas empresas comprometidas com o planejamento de investimentos produtivos de médio e longo prazo. E a mistura de pesados ​​subsídios e um mercado com enormes perspectivas de desenvolvimento pode ser uma tentação para muitos.

Tesla India

Compensar as deficiências 

Sob o esquema de incentivos, os fabricantes poderiam receber um reembolso de 4-7% sobre as vendas e o valor de exportação de veículos e componentes, que no caso do elétrico seria ampliado em mais 2%. O objetivo básico é focar em emissões zero.

Tudo isso faz parte do gigantesco programa de US$ 27 bilhões de Nova Delhi para atrair investimentos estrangeiros para o país. Um plano essencial para trazer novos capitais para a economia indiana, ainda penalizada por um contexto interno que não é exatamente favorável. De fato, as taxas de juros e os elevados custos de energia, juntamente com a falta de infra-estruturas estratégicas, só podem ser compensados ​​por compensações particularmente favoráveis ​​ao capital estrangeiro.

"O novo esquema propõe incentivos financeiros para ajudar a superar esses obstáculos e tornar a Índia mais competitiva", diz o documento relatado pela Reuters, especificando que os benefícios estarão disponíveis apenas para montadoras e fabricantes de componentes com receitas globais superiores a 1,4 bilhão e 69 milhões de euros, respectivamente, e capazes de garantir taxas de crescimento significativas.

Siga o InsideEVs Brasil no Twitter

Siga o InsideEVs Brasil no Facebook

Siga o InsideEVs Brasil no Instagram