Há muitos funcionários da Apple que vêm de algum fabricante de automóveis. Especialmente agora que a gigante da tecnologia voltou a trabalhar com tudo em seu futuro carro elétrico. Mas desta vez aconteceu o contrário, com um componente da 'maçã' deixando Cupertino em direção à Wolfsburg, na Alemanha. 

Trata-se de Soonho Ahn, guru das baterias "roubado" anteriormente da Samsung, onde lidou com tecnologias para acumuladores de próxima geração, que nos últimos 3 anos dirigiu para a Apple o departamento de pesquisa e desenvolvimento no campo das baterias.

Versão compacta da plataforma MEB para o Volkswagen ID. Life Concept

Sobre as funções reais de Ahn a Apple sempre manteve grande confidencialidade. Não se sabe exatamente se suas tarefas se limitaram apenas aos produtos eletrônicos típicos da empresa, de iPhones a MacBooks, ou se ele já trabalhou no setor automotivo.

O fato é que uma das empresas com maiores ambições em relação ao carro elétrico convenceu o engenheiro a deixar a Apple para ir para a Alemanha. Ahn chega à Volkswagen exatamente no mesmo papel que tinha na Apple: responsável pelo desenvolvimento da bateria. Poderia contribuir fundamentalmente no desenvolvimento do projeto Trinity.

Uma prática generalizada

A confirmação da troca de camisa vem do próprio perfil de Ahn no LinkedIn, onde afirma que desde novembro de 2021 ocupa o papel de "CTO Battery Division, Group Components" na Volkswagen.

A busca por figuras super qualificadas não é incomum. Elon Musk frequentemente reclama que empresas concorrentes como a Rivian ou Xpeng Motors estão sempre à procura de talentos crescidos na Tesla para conseguir habilidades e tecnologias.

catl-musk

O caso de Zeng Yuqun

Quanto à Apple, um dos casos mais sensacionais de ex-funcionários que embarcaram em novas aventuras diz respeito a Zeng Yuqun, conhecido pelo nome ocidentalizado de Robin Zeng. Ele trabalhou na resolução de uma série de problemas de bateria com a primeira geração de MacBook Airs, e então, uma vez que cumpriu a missão, 10 anos atrás voltou para a China, para fundar sua empresa própria.

Essa empresa se chama CATL, que agora é simplesmente a maior fabricante de baterias do mundo com uma participação de 32,5% do mercado global, permitindo que a Zeng atinja uma riqueza pessoal de cerca de 50 bilhões de euros.