A BYD, gigante chinesa de veículos elétricos, confirmou recentemente que vai construir uma segunda fábrica na Europa, e o destino escolhido, segundo fontes ligadas à empresa adiantaram ao Motor1/InsideEVs, é a França.

Essa informação surge em meio a uma investigação da União Europeia sobre subsídios a carros elétricos chineses, que resultou em uma nova tabela de tarifas de importação para esses veículos. 

“Quando a concorrência se preocupa com você, é porque você está indo muito bem”, disse Stella Li, vice-presidente da BYD para a Europa e Américas, em entrevista durante o Salão Top Marques, em Mônaco.

A primeira fábrica europeia da BYD, localizada na Hungria, iniciará a produção no final do próximo ano. Já a localização da segunda unidade está em vias de ser anunciada de forma oficial. “No momento certo, vamos investir em uma segunda fábrica”, afirmou Li.

Para enfrentar uma possível queda nas vendas de carros elétricos na Europa, a BYD está mudando um pouco sua estratégia e lançando novos veículos híbridos plug-in (PHEV), como o Seal U DM-i, apresentado no evento de Mônaco.

"Esses carros combinam um motor a combustão com uma bateria elétrica de média capacidade, que pode ser recarregada na tomada".

“Para os consumidores, os híbridos plug-in são o primeiro passo para aproveitar a tecnologia dos carros elétricos”, explicou Li.

<p>BYD Seal U - Salão de Munique IAA 2023</p>

BYD Seal U - Salão de Munique IAA 2023

A BYD vendeu 1,5 milhão de PHEVs no ano passado, representando metade de suas vendas globais. Apesar da aposta da BYD nos carros elétricos a bateria, uma corrente de críticos argumenta que os híbridos plug-in são pesados e ainda consomem muita gasolina, emitindo poluentes quando não são carregados na eletricidade.

A executiva da BYD rebate essa crítica, afirmando que esses carros podem ser mais atraentes para consumidores que temem a falta de estações de recarga e a autonomia limitada dos elétricos puramente a bateria.

E voltando à questão da França, vale lembrar que em maio, autoridades francesas, incluindo o Ministro das Finanças Bruno Le Maire, já haviam demonstrado interesse em sediar uma fábrica da BYD no país. O entusiasmo francês pela BYD não é por acaso. O país busca impulsionar sua indústria automotiva e se posicionar como um polo de inovação em veículos elétricos.