BEV, PHEV, HEV, NEV e FCEV são todos acrônimos para algum tipo de veículo eletrificado, mas apenas um deles se refere a carros elétricos. Esse seria o BEV, que significa veículo elétrico a bateria, enquanto todos os outros têm algum tipo de auxiliar, seja um motor de combustão ou outro.

Além disso, o fato de as montadoras usarem "hibridizado" e "eletrificado" sempre que podem para descrever um carro que, na verdade, tem um motor elétrico e uma bateria, acabou com parte do significado de um carro elétrico.

Nós sabíamos disso, e você provavelmente também, mas agora há uma pesquisa que usa dados concretos para mostrar que os esforços de marketing dos fabricantes de automóveis valeram a pena. Eles conseguiram enganar as pessoas, fazendo-as pensar que o fato de colocar um emblema contendo "EV" na parte traseira de seus carros os tornava totalmente elétricos.

Distintivo do Toyota C-HR HEV (veículo elétrico híbrido)

Distintivo do Toyota C-HR HEV (veículo elétrico híbrido)

De acordo com a pesquisa da New Automotive sobre a opinião dos motoristas a respeito da transição para carros elétricos em seis países do mundo, a grande maioria das pessoas acha que um veículo "eletrificado" significa "um veículo elétrico alimentado 100% por uma bateria". Mais de 70% dos entrevistados nos Estados Unidos, Reino Unido, França, Japão, Índia e Indonésia responderam dessa forma, enquanto um número muito menor de pessoas deu a resposta verdadeira.

Ao mesmo tempo, porém, a maioria esmagadora dos entrevistados disse que um veículo que é alimentado 100% por uma bateria conta como um veículo elétrico, o que mostra a escala de confusão entre os consumidores.

Trabalhando com o jogo da porcentagem, em que as montadoras geralmente informam grandes aumentos nas vendas, mas enterram o número real de VEs vendidos nas notas de rodapé, a pesquisa revelou que essa tática também funcionou. Nos EUA, os entrevistados disseram que quase todos os fabricantes de automóveis venderam mais VEs do que realmente venderam, sendo que apenas a Renault (que não vende carros nos EUA) e a Mercedes-Benz obtiveram estimativas mais baixas do público.

A mesma pesquisa abrangente revelou que os consumidores dos seis países-alvo evitariam comprar um carro de uma empresa associada a lobby contra políticas de veículos elétricos e que gostariam que os fabricantes apoiassem mais a mudança para veículos elétricos.

A maioria dos motoristas no Reino Unido (58%), na França (51%), na Índia (86%) e na Indonésia (83%) quer que sua própria marca de carro apoie políticas para aumentar as vendas de VEs e eliminar gradualmente as vendas de carros a combustão. Em contrapartida, nos Estados Unidos, essa porcentagem é de 47%. Além disso, 23% dos americanos disseram que querem que sua marca de carro se oponha a essas políticas.

No que diz respeito à Toyota, uma empresa automotiva famosa por sua abordagem um tanto atrasado em relação à eletrificação total entre os entusiastas de VEs e por vender apenas um carro elétrico a bateria nos EUA, os motoristas de todos os países pesquisados tendem a achar que a montadora japonesa deve ter como meta uma porcentagem maior de vendas de VEs até 2030, em comparação com seu plano atual de cerca de 30% ou 3,5 milhões de VEs. Em média, os motoristas dos EUA disseram que a Toyota deveria ter como meta 38% de vendas anuais de veículos elétricos até 2030, enquanto os entrevistados no Japão disseram que a empresa deveria ter como meta 52% de vendas de veículos elétricos.

"Esses resultados devem fazer com que muitos dos maiores fabricantes de automóveis parem para pensar", disse Ben Nelmes, CEO da New Automotive. "Os motoristas estão cada vez mais conscientes do impacto que os carros têm sobre o meio ambiente e querem carros mais limpos. Defender o enfraquecimento ou a diluição das políticas climáticas não só acarreta riscos ambientais, mas também riscos financeiros e de reputação", acrescentou.

A pesquisa completa pode ser encontrada aqui. A Dynata pesquisou uma amostra representativa de 1.000 motoristas em seis países. Qual é a sua opinião sobre isso?