Estudo faz previsão ousada e considera essa realidade para os mercados da Europa, EUA e China

Os principais mercados estão passando por uma fase de transição. A era dos veículos comerciais e de passageiros com motor de combustão interna está chegando ao fim, após mais de um século de domínio global. Alguns governos já estão anunciando que irão proibir as vendas desse tipo de veículo após uma data estipulada e as montadoras estão anunciando quando irão banir os veículos a combustão de suas linhas.

Reino Unido, por exemplo, prometeu proibir a venda de todos os tipos de veículos a combustão após 2030 e, como ele, há mais treze países (principalmente na Europa). Nem todos concordaram sobre um ano específico (ou sobre o que exatamente vão proibir), mas o ano parece geralmente ser 2030 ou 2035 ou, em alguns casos, 2040.

Galeria: Audi Q4 e-tron Sportback

Os fabricantes de automóveis estão seguindo o exemplo e, por exemplo, a Audi anunciou que não lançará nenhum carro novo a gasolina ou a diesel à sua linha após 2026 - daqui a apenas cinco anos. Após isso, a Audi só adicionará novos carros elétricos à sua gama e, depois de 2033, não venderá mais nenhum tipo de veículo a gasolina ou diesel.

No entanto, vale a pena levar em conta o fato de que nem todas as montadoras e nem todos os governos estão nesse ritmo. Isso nos leva a acreditar que, embora no ano de 2030, as opções de carros elétricos serão bastante variadas em comparação com o que temos hoje, não achamos que os veículos elétricos irão superar os carros a combustão globalmente em termos de vendas - nós admitiríamos se fosse o caso, mas parece um pouco prematuro afirmar isso agora. 

Galeria: Ford F-150 Lightning

Ainda de acordo com a consultoria Ernst & Young LLP (EY), os carros elétricos se tornarão mais populares do que os veículos a gasolina/diesel em 2033, cerca de cinco anos antes da maioria das outras estimativas - esta previsão foi fornecida por uma ferramenta de previsão alimentada por inteligência artificial. No entanto, isso se aplica apenas aos Estados Unidos, Europa e China, e a consultoria também espera que as vendas de veículos a combustão caiam para menos de 1 por cento até 2045.

Referindo-se estritamente aos Estados Unidos, o líder global de manufatura avançada e mobilidade da EY, Randy Miller, acredita que:

Vemos o ambiente regulatório do governo Biden como um grande contribuinte, porque ele tem metas ambiciosas. Esse impacto nas Américas terá um efeito de superalimentação.

Miller continuou a dizer que a nova safra de veículos elétricos ainda mais atraentes que estão 'saindo do forno' acentuará ainda mais a tendência: 

Muitos outros modelos que são muito mais atraentes estão sendo lançados. Você leva isso em conta junto com os incentivos, e esses são os ingredientes básicos que estão conduzindo essa visão mais otimista. A visão da geração do milênio que estamos vendo é claramente mais inclinada para querer comprar carros elétricos.

Siga o InsideEVs Brasil no Twitter

Siga o InsideEVs Brasil no Facebook

Siga o InsideEVs Brasil no Instagram