Um estudo do setor automotivo britânico é claro: o emprego estará em risco se não avançarmos na transição energética

Mais carros elétricos nas ruas, mas também mais trabalhadores em fábricas ligadas à indústria automotiva. Até agora no debate público eles sempre apareceram como dois cenários incompatíveis, porque intuitivamente um motor elétrico é muito mais fácil de produzir do que um a combustão. No entanto, no Reino Unido, um estudo chegou a uma conclusão bem diferente.

Essa análise consta no relatório "Full throttle needed for UK Automotive Success". Lançado pela Sociedade de Fabricantes e Comerciantes de Motores (SMMT) - associação que reúne o setor automotivo no Reino Unido - é um plano que contém uma série de propostas aos formuladores de políticas para não perder o bonde da eletrificação, mantendo milhares de postos de trabalho. Na verdade, o estudo mostra que, com emissões zero, o emprego só teria a ganhar.

Galeria: Nissan LEAF na linha de produção no Reino Unido

Ele começa considerando que a indústria automotiva emprega cerca de 180.000 trabalhadores no Reino Unido e traz 15 bilhões para os cofres do estado todos os anos. A transição é considerada "o maior desafio", mas também uma oportunidade de "garantir o futuro de uma das indústrias mais importantes da Grã-Bretanha".

Entre as 12 propostas lançadas pelo SMMT ao governo britânico, uma é considerada a chave do sucesso: construir, até 2030, uma Gigafactory com capacidade total de 60 GWh por ano. O que aconteceria caso não desse certo? Na pior das hipóteses, o Reino Unido teria uma capacidade limitada de  produção de baterias de 15 GWh por ano e cerca de 90.000 empregos seriam perdidos.

Nissan V2G project Reino Unido - recarga

As consequências atingiriam, de fato, também em outros setores, de produtos químicos a siderurgia, de finanças a publicidade. Em vez disso, ao colocar a transição no centro dos planos, a cadeia de suprimentos britânica estima um crescimento do emprego que, no melhor cenário de 80 GWh de baterias produzidas anualmente, empregaria mais 40.000 pessoas, "bem pagas e altamente qualificadas". Veja abaixo as 12 propostas do SMMT.

  • criar uma produção de baterias de 60 GWh no Reino Unido por meio da Gigafactory até 2030;
  • apoiar o desenvolvimento de uma Gigafactory de células a combustível com capacidade de 2 GWh para automóveis, veículos pesados ​​e trens até 2030;
  • apoiar a reciclagem dos trabalhadores;
  • envolver o estado no desenvolvimento, teste, pesquisa e implementação da tecnologia de veículos conectados e automatizados (CAV);
  • introduzir um novo fundo, denominado Build Back Better Fund, para apoiar empregos e reduzir alguns custos de produção, por exemplo, para energia;
  • permitir que as indústrias da rede zero emissões tenham acesso aos mesmos benefícios e esquemas de compensação que as indústrias com uso intensivo de energia;
  • financiar projetos sobre o uso de hidrogênio durante a produção;
  • atrair investimentos por meio da reforma tributária;
  • estabelecer uma estratégia para instalar 2,3 milhões de pontos de carregamento até 2030;
  • encomendar uma revisão independente dos impostos especiais de consumo sobre os combustíveis; continuar a incentivar a compra de veículos plug-in além do prazo atual e;
  • isentar de impostos os veículos de baixa emissão nos próximos cinco anos;
  • colaborar com a indústria para desenvolver uma estratégia de negócios ambiciosa e voltada para o futuro.

Agora, conclui o estudo, "chegou a hora de acelerar e tomar medidas corajosas para apoiar uma das indústrias mais importantes da Grã-Bretanha". Isso deve ser feito logo, porque em toda a ilha a eliminação progressiva já tem uma data definida. 

Siga o InsideEVs Brasil no Twitter

Siga o InsideEVs Brasil no Facebook

Siga o InsideEVs Brasil no Instagram

Galeria: Volkswagen ID.3 - Reino Unido