A análise do instituto alemão Fraunhofer antecipa como será a transição do setor, entre reestruturações e novas oportunidades

Uma das principais críticas dirigidas à mobilidade elétrica diz respeito às possíveis repercussões em relação ao nível de emprego. É quase um consenso que os carros movidos a bateria, que são mais fáceis de produzir, podem exigir menos mão de obra. E é em parte verdade, como mostram os estudos realizados na fábrica da Volkswagen em Zwickau, modernizada para produzir apenas os carros elétricos da marca (do ID.3 em diante). Mas a situação, na realidade, é muito mais complexa do que pode parecer. 

Para entender a correlação real entre empregos e crescimento da popularidade de carros elétricos, a Volkswagen encomendou um estudo por conta própria ao prestigiado Instituto Fraunhofer em Stuttgart. Aqui estão os resultados da análise.

Uma década chave

Estudos anteriores afirmavam que a mobilidade elétrica levaria a perdas massivas de empregos na indústria automotiva. O declínio foi calculado em porcentagens que variavam entre 35 e 62 por cento até 2030. Basta dizer que na Alemanha 5% dos empregos estão direta ou indiretamente ligados ao setor automotivo para entender o quão problemático esse impacto seria para Berlim. E um argumento semelhante naturalmente também se aplica a outros países europeus.

Trabalhadores qualificados da Volkswagen

No entanto, o novo trabalho feito pelo instituto alemão revela uma situação muito mais multifacetada. As indústrias coligadas e as empresas produtoras de componentes poderão sofrer as maiores dificuldades na fase de transição, justamente pelo fato de serem necessárias menos "peças" para construir um carro elétrico, a começar pelo motor e caixa de câmbio.

No caso das montadoras e do setor como um todo, porém, a situação será diferente. De acordo com a análise, novas competências e novos empregos serão criados ligados a serviços digitais, tecnologias e ao desenvolvimento de baterias e motorizações cada vez mais eficientes. O próprio Herbert Diess, número um da Volkswagen, disse que o maior desafio será transformar a gigante alemã em uma prestadora de serviços.

ID.3 x Golf

No estudo, pretendíamos analisar os diferentes processos de produção que afetam o ID.3 e o Golf VIII. Os resultados foram projetados para 2029, calculando a difusão cada vez maior dos carros elétricos em comparação aos tradicionais. 

Deste modelo deduziu-se que a Volkswagen, com os mesmos volumes anuais, poderia encontrar um decréscimo de funcionários igual a 12%. Mas os números não devem ser enganosos. Essa queda, de fato, será compensada por dois fatores de crescimento que anularão o efeito até 2029.

  • aumento das vendas, visto que se estima que os volumes crescerão globalmente na próxima década
  • As novas oportunidades que o carro elétrico vai oferecer em relação aos profissionais de serviços e especialistas em TI e novas tecnologias.

Recursos humanos

O estudo em questão foi encomendado pelo gabinete de recursos humanos da Volkswagen, que pretendia identificar oportunidades de crescimento na transição energética, indo muito além das crenças dos detratores da eMobility. Isso porque a empresa quer estar preparada para o que muitos descreveram como uma verdadeira revolução para o trabalho no setor.

Volkswagen Zwickau

Os analistas do instituto Fraunhofer trabalharam por mais de um ano na Volkswagen e analisaram mais de 30 grupos de funcionários, entrevistando periodicamente e de forma muito detalhada mais de 60 trabalhadores representando todas as unidades de negócios e funcionários em diferentes fábricas localizado na Alemanha.

  • Dresden
  • Emden
  • Hanover
  • Osnabruck
  • Wolfsburg
  • Zwickau
Volkswagen, como os empregos com o carro elétrico mudam

Como o equilíbrio muda

De posse dessas informações, a empresa declara que está pronta para implementar políticas de requalificação para acompanhar seus colaboradores nesta fase de transição energética do mercado, em que algumas competências se tornarão dispensáveis, mas na qual serão necessárias outras novas.

Especificamente, acredita-se que as áreas de produção e logística deverão registrar as maiores contrações nos próximos anos, em até mais de 10%. O mesmo pode acontecer nas divisões auxiliares, que podem perder até 5%. Por outro lado, está em crescimento o departamento técnico, com uma expansão entre 3 e 7%, o marketing, que pode subir 2 ou 3 pontos percentuais, e o TI, que pode atingir cerca de +5%.

Galeria: Volkswagen ID.4 - produção em série em Zwickau