Avaliamos o esportivo híbrido plug-in (sedã e perua) na estrada e no circuito de Le Mans!

Não é segredo que a eletrificação do mundo automotivo está em andamento. E quando o objetivo principal é diminuir as emissões de CO2 das frotas dos fabricantes, para alguns isso também é uma forma de não abrir mão da potência e da esportividade. E para outros, como é o caso da Peugeot, é o meio para atingir um nível de potência nunca antes alcançado.

Peugeot 508 PSE é simplesmente o Peugeot de produção mais potente de todos os tempos. Quase poderíamos falar em "carro de produção francês" se não fosse o Bugatti Chiron. São mais de 360 ​​cavalos de potência (o 508, não o Chiron). E isso graças à tecnologia híbrida plug-in. Mas e aí? Qual é a desse carro esportivo (e ecológico) francês? Nossos amigos do Motor1.com França foram testar a novidade no templo francês da velocidade, no caso, o circuito das 24 Horas de Le Mans. Confira! 

Galeria: Peugeot 508 PSE SW - impressões ao dirigir

O que é?

É o primeiro contato com este 508 PSE na vida real. E devemos admitir que a preparação estética reservada ao sedã esportivo não é das mais discretas. Lembramos do verde fluorita no saudoso Peugeot 205 Griffe. Os toques de amarelo (alguns dizem verde) deste 508 PSE são "kryptonita". Permanece relativamente discreto, mas realmente precisamos disso? Não, isso não ajuda. E um Audi S4 ou um Mercedes-AMG C43, para citar apenas alguns exemplos, conseguem mostrar muito bem sua esportividade sem apelar para tais detalhes. 

No entanto, o 508 PSE parece ótimo e começamos a procurar precisamente esses detalhes estéticos, como as aletas nas extremidades dos pára-choques dianteiro e traseiro. Estas rodas originais de 20 polegadas com um design elegante. Bitolas mais largas na frente e atrás (24 e 12 mm, respectivamente). A frente rebaixada em 10 mm (- 1 mm na parte traseira). Esta grade frontal serrilhada. Este difusor traseiro. E essas saídas de escape quase discretas demais. Alguns vão adorar. Outros menos. Impossível retirar esses elementos do configurador, a não ser os adesivos no final das aletas. Mas não o amarelo do escudo - uma pena.

Teste Peugeot 508 PSE SW

Esta novidade esportiva é também uma oportunidade para focar na nova identidade esportiva da empresa Sochaux. Você sabe que o "GTi" não existe mais. Abra caminho para a sigla PSE, portanto, para a Peugeot Sport Engineered. Uma forma de marcar a entrada nesta nova era de esportividade eletrificada, simbolizada pelas três garras amarelas de 'criptonita'. Elas acompanham o emblema "508" na dianteira e na traseira e são discretamente exibidos no final das lanternas. 

Teste Peugeot 508 PSE

Para aqueles que já entraram em um Peugeot 508 GT Line, este 508 PSE permanece muito semelhante por dentro. Isso implica em boa qualidade de construção e apresentação agradável, mas infelizmente também um pouco abaixo da média para um carro desse preço.

No entanto, será saudado por alguns pequenos toques deste famoso amarelo fluorescente já presente no exterior, quer ao nível das costuras do volante, no painel ou nos bancos, na parte plana do volante e nas soleiras das portas. Os bancos que misturam Alcantara e couro são acolhedores e envolventes. Com o pequeno volante na mão, você se sente em um carro esportivo de qualquer maneira.

Teste Peugeot 508 PSE
Teste Peugeot 508 PSE
Teste Peugeot 508 PSE

Pouco a dizer sobre o porta-malas, que nestes 508 PSE, seja a perua ou o sedã, não sofre com a presença de baterias no assoalho. Portanto, os dois modelos esportivos mantêm o mesmo volume de carga dos 508 clássicos, o que é uma boa notícia.

Como anda?

Antes de se sentar ao volante, um pequeno lembrete: o Peugeot 508 Peugeot Sport Engineered, esse é o seu verdadeiro nome, tem três motores ao todo. Na dianteira, está a unidade de 4 cilindros de 1,6 litro desenvolvendo 200 cavalos de potência e um motor elétrico de 110 cavalos de potência. E na parte traseira, no eixo, há outro motor elétrico de 113 cavalos. No total, este 508 PSE entrega 360 cavalos de potência e 53 kgfm de torque. Na realidade, é mais correto dizer "até" 360 cavalos de potência, porque o 'leão' somente atinge esta potência máxima no modo Sport

Na vida cotidiana, no modo Hybrid, você tem 330 cavalos de potência. Isso é mais do que o suficiente para a maioria das pessoas. E no modo totalmente elétrico são 140 cavalos de potência.

Teste Peugeot 508 PSE

Como é frequentemente o caso com carros híbridos plug-in, você tem que passar pelos modos de condução um após o outro para descobrir as diferentes personalidades do carro. E começamos por um padrão no modo elétrico neste 508 PSE, como em uma versão Hybrid ou Hybrid4.

No hodômetro, o carro com bateria cheia exibe 28 km de autonomia. Ei, esse não é o WLTP de 42 km anunciado? Isto é sem dúvida honesto, porque para alcançar a autonomia máxima anunciada, será necessário de qualquer forma abrir mão da franca aceleração proporcionada por este 508 de mais de 300 cavalos. Mas é claro que não estamos aqui para quebrar um recorde de autonomia.

Teste Peugeot 508 PSE SW

O carro que funciona no modo de emissão zero por padrão na partida já está mostrando o seu lado dinâmico. Esta não é a aceleração de um Tesla Model 3, mas você ainda pode chegar a 140 km/h sem emitir emissões poluentes.

Mas para não descarregar a bateria, mudamos rapidamente para o modo Hybrid, que otimiza a alternância entre térmico e elétrico para um consumo otimizado. O modo Comfort é apenas o modo Hybrid com uma configuração de suspensão ligeiramente mais flexível. Mas você nem precisa alternar, os aros de 20 polegadas de nosso modelo de teste nunca se mostram ásperos demais para o conforto. Os assentos grossos e envolventes fazem o resto da tarefa.  

Teste Peugeot 508 PSE

Com um chassis com amortecimento variável e suspensão controlada, curvas em rotatórias e entradas de rodovias já se mostram muito agradáveis. Especialmente porque o pequeno volante aumenta ainda mais a sensação de esportividade. Em pequenas estradas rurais, o 508 PSE filtra perfeitamente as irregularidades sem vacilar, é muito reconfortante e permite que você saia de cada curva mais rápido do que antes. E o tempo o catapulta rapidamente para além do que a lei permite. Mas tudo com uma certa linearidade.

Apesar do 508 PSE ser muito agressivo, lamentamos um pouco de falta de personalidade. Talvez seja também por conta da eletricidade. Especialmente porque o ruído do motor é quase inexistente. No entanto, uma mudança para o modo esportivo nos permitiu ser impulsionados ainda mais rapidamente.

As presas luminosas parecem prontas para comer asfalto a qualquer velocidade, desde que seja ilegal. Todos os 360 cavalos de potência estão lá. E os mais de 1.800 quilos, já que as baterias acrescentam muito peso, são ignorados. Não espere o famoso "pontapé no r***". Mas quando o motor elétrico traseiro entra para ajudar nas retomadas, sente-se um ligeiro empurrão. Por outro lado, se você puder fazer as trocas de marcha através das borboletas atrás do volante, o carro responde quase que instantaneamente.

Teste Peugeot 508 PSE

Note que no modo Sport, os engenheiros da Peugeot projetaram um sistema que nunca perde completamente a capacidade da bateria, sempre tendo uma pequena reserva "para manter permanentemente 360 ​​cavalos de potência". Na verdade, é semelhante a esses famosos modos tão criticados que usam o motor térmico para recarregar as baterias solicitando-o um pouco mais. E, portanto, consumindo mais. De fato, a Peugeot assegura-nos que este sistema recarrega o estritamente necessário, portanto, num período de tempo muito curto. E isso resulta em consumo excedente mínimo. 

Durante o nosso teste, notamos um consumo inferior a 6 litros/100 km (16,6 km/l) no modo Hybrid, respeitando rigorosamente os limites de velocidade, em uma volta de cerca de cinquenta quilômetros. Aumentando um pouco o ritmo, especialmente com o modo Sport ativado e seus 360 cavalos de potência, estávamos em 8,5 l/100 km (12,5 km/l).

Teste Peugeot 508 PSE
Teste Peugeot 508 PSE

Duas voltas rápidas no circuito Bugatti de Le Mans, em terrenos caros à Peugeot Sport, permitiram notar que este Peugeot 508 Peugeot Sport Engineered também sabe deslanchar na pista, embora obviamente não seja este o seu habitat. Já para quem se pergunta se as aletas que saem dos pára-choques dianteiros e traseiros estabilizam o carro em alta velocidade, a resposta é não. A Peugeot não esconde isso, eles estão lá apenas para efeito estético, não tendo nenhuma função aerodinâmica!

Quanto custa?

A hibridização recarregável é acusada de todos os males. Veículos mais pesados, raramente recarregados, que por isso acabam consumindo mais. E tudo isso sem pagar multas. O Peugeot 508 provavelmente pode ser culpado por tudo isso. Mas não de ser um falso esportivo. Ou não ser (muito) agradável de dirigir.

Por isso é certo que ele não forneça a mesma homologação que alguns similares alemães, como o Mercedes-AMG C43, BMW M340i e Audi S4, sempre térmicos, embora a diesel para este último. No entanto, há dois modelos semelhantes na abordagem deste Peugeot 508 PSE do teste e em sua esportividade eletrificada: o 330xe da BMW e o S60 T8 Polestar da Volvo.

Ainda assim, nosso Peugeot 508 PSE não pode acompanhar. Custa 67.100 euros (cerca de R$ 453.500) na versão sedã e 68.400 euros (cerca de R$ 462.300) para a perua. Cerca de somente 500 euros a menos que o sueco, que ultrapassa os 400 cavalos e está mais próximo das referências alemãs, embora seja menos agradável de dirigir. Mas este 508 PSE, sedã ou perua, tem o mérito de trazer uma verdadeira proposta de esportividade. 

 Pontos positivos Pontos negativos
Visual matador Parece um pouco exagerado
Funções esportivas Falta de personalidade
Qualidades dinâmicas Preço que pode ser assustador

Siga o InsideEVs Brasil no Twitter

Siga o InsideEVs Brasil no Facebook

Siga o InsideEVs Brasil no Instagram

Galeria: Peugeot 508 PSE - primeiras impressões

Peugeot 508 Peugeot Sport Engineered

Motor 4 cilindros em linha 1598 cm3 + motor elétrico dianteiro + motor elétrico traseiro
Potência e torque 200 cavalos + 110 cv + 113 cv
Torque máximo 300 Nm + 320 Nm + 166 Nm
Bateria Íon-lítio 11,5 kWh / 117 kW
Tipo de tomada Type 2
Tempo de recarga 6h30 (tomada doméstica 8A) / 4h (tomada 14A) / 1h30 (Wallbox 32A)
Autonomia elétrica 42 km WLTP / 50 km NEDC
Transmissão Automática de 8 velocidades
Suspensão Tração nas 4 rodas
Aceleração 5,2 segundos
Velocidade Máxima 250 km/h / 140 km/h (modo elétrico)
Comprimento e entre-eixos Sedã : 4.750 mm / SW : 4.790 mm
Largura Sedã: 1860 mm / SW : 1860 mm
Altura Sedã : 1410 mm / SW : 1420 mm
Peso Sedã : 1850 kg / SW : 1875 kg
Capacidades Sedã : 487 à 1.537 litros / SW : 530 à 1.780 litros
Lugares 5 lugares
Consumo de combustível 2,03 litros / 100 km (misto WLTP)
Emissões 46 g/km de CO2
Preço de entrada Sedã: 67'100 € / Perua: 68'400 €