O carro elétrico mais barato à venda na Europa cumpre seu papel no ciclo urbano, mas fica devendo fora dele

Após um ano difícil na Europa, a Dacia faz previsões otimistas que se apoiam em lançamentos como a nova geração do Sandero e o Duster reestilizado, que ganhou um novo visual e deve manter os preços baixos que caracterizam o seu sucesso. E neste lote de novidades, também marca presença o Dacia Spring Electric, versão elétrica do nosso Renault Kwid, cujas primeiras entregas irão acontecer no último trimestre de 2021. 

Enquanto o modelo não chega às lojas, os nossos amigos do InsideEVs França tiveram o primeiro contato com o carro elétrico urbano que promete agitar o mercado europeu com seu preço baixo e também está cotado para o Brasil a partir do ano que vem. Confira!  

Galeria: Teste Dacia Spring - (Kwid elétrico)

O que é?

Mais de 40% dos carros novos vendidos na França e na Europa são SUVs. Uma verdadeira galinha dos ovos de ouro para os fabricantes que pretendem embarcar nessa tendência, mesmo em segmentos que não necessariamente se prestam a isso. Como resultado, este Dacia Spring, apesar de seus 3,73 metros de comprimento (incluindo 2,52 metros de distância entre eixos) e sua largura quase semelhante à sua altura (1,58 metros de largura por 1,52 metros de altura), se assume como um "mini SUV", especialmente com sua ampla distância do solo de 15,1 centímetros.

Durante o nosso teste pudemos conhecer as versões "Business", ou seja, modelos reservados para profissionais e serviços de car-sharing. Como mostram as fotos, estes veículos são bastante espartanos na sua configuração, mas os clientes particulares terão acesso a mais opcionais e mais opções de cores e acabamentos. 

Teste Dacia Spring - (Kwid elétrico)
Teste Dacia Spring - (Kwid elétrico)

Este é o lema da marca: retirar tudo o que for supérfluo para conter os preços. Quando você entra na cabine, não há nada supérfluo, mesmo que o interior não seja completamente despojado. Digamos que tem tudo o que você precisa, de série ou não, tudo vai depender dos acabamentos escolhidos.

A nossa versão de testes estava equipada com ar condicionado, seis airbags, vidros elétricos, um sistema de informação e entretenimento muito simples mas completo em uma tela sensível ao toque de 7" (Apple CarPlay e Android Auto), ou ainda o botão de comando. Há comandos de voz no volante que se conecta com a Siri no iPhone ou o Google Assistente no Android. Em termos de conectividade, o Dacia Spring está longe de passar vergonha com a aplicação gratuita "MyDacia", que permite gerenciar remotamente o aquecimento, recarga ou a localização do carro.

O painel remete aos antigos Dacias, o que é uma pena, mas também não chega a ser uma decepção. O espírito do baixo custo se faz presente nos materiais rígidos, saídas de ar circulares, botões dos vidros elétricos instalados no console central ou até mesmo na palheta única do limpador de para-brisa. O conforto diário é, no entanto, decente, a ergonomia está lá e, acima de tudo, há muito espaço para objetos com 23,1 litros de capacidade apenas na dianteira.

Teste Dacia Spring - (Kwid elétrico)
Teste Dacia Spring - (Kwid elétrico)

Passamos agora à traseira, que tem dois assentos reais e não três meios-assentos. Os passageiros do banco traseiro terão espaço suficiente para um carro com menos de quatro metros de comprimento, mas com certeza irão se incomodar, como os passageiros da frente, à dureza dos assentos. Em relação ao porta-malas, sua capacidade é correta com 290 litros, e até 620 litros com o banco traseiro rebatido. Posteriormente, também será oferecida uma versão "Cargo" para profissionais com um banco traseiro que desaparece em favor do volume do porta-malas.

Autonomia, bateria e recarga

Com sua pequena bateria de íons de lítio de 27,4 kWh, o Dacia Spring garante 230 km de autonomia pelo ciclo combinado WLTP. Isso fica entre um Renaut Twingo Electric (22 kWh e 190 quilômetros) e um Volkswagen e-up!  (36,8 kWh e 260 quilômetros). Este alcance pode parecer perfeito para o uso cotidiano, e é, mas a Dacia está bem ciente disso e este modelo será, na maioria dos casos, vendido como um segundo carro.

Este segmento geralmente satisfaz a marca, que também especifica que as viagens diárias de um carro urbano na Europa são de 31 quilômetros. No uso puramente urbano, o alcance sobe para mais de 300 quilômetros. Resta saber como você planeja carregar o carro, mas no geral, com a bateria pequena, os tempos de carregamento não assustam. 

  • 0 a 100% em 13 horas 30 minutos em uma tomada doméstica padrão de 2,3 kW;
  • 0 a 100% em 8 horas 30 minutos em uma tomada Green'Up reforçada ou wallbox de 3,7 kW;
  • 0 a 100% em 4 horas e 50 minutos na Wallbox de 7,4 kW;
  • 0 a 100% em 1 hora e 30 minutos no terminal rápido DC 30 kW.
Teste Dacia Spring - (Kwid elétrico)
Teste Dacia Spring - (Kwid elétrico)

No que diz respeito às conexões, o cabo para tomada doméstica é item de série, enquanto que para wallbox ou terminal público é cobrado 250 euros (R$ 1.700). Será necessário adicionar 600 euros (R$ 3.900) para o carregador DC e uma recarga "rápida". Por enquanto, este carregador é usado apenas para o acabamento "Comfort Plus".

Embora seja vendido apenas na Europa, o Dacia Spring é o resultado de algumas sinergias dentro da Aliança. O Spring aproveita assim a plataforma CMFA do Renault K-ZE, carro urbano vendido na China desde 2019, baseado no próprio Renault Kwid, modelo térmico reservado aos mercados indiano e brasileiro. Embora o Dacia Spring tenha seus próprios atributos, ele é produzido na mesma fábrica chinesa que o K-ZE .

Com seus 44 cavalos de potência e 12,6 kgfm de torque, o motor elétrico garante que o Dacia Spring tenha pouco a ver com os quadriciclos que são Citroën Ami e outros modelos como o Renault Twizy. Os números de desempenho estão de acordo com a proposta do carro: o 0 a 100 km/h é anunciado em 19,1 segundos, a velocidade máxima é de 125 km/h e as retomadas de 80 a 120 km/h requerem paciência: 26,2 segundos.

Dacia Spring (Kwid elétrico)

Como anda?

Banco alto, volante inclinado, sem dúvida, estamos em um carro elétrico do grupo Renault. Por razões de custo óbvias, os ajustes da coluna de direção e de altura do assento não estão disponíveis. A posição não é ótima para adultos, mas não importa, pelo menos não temos o volante nos joelhos. Como dito acima, os assentos são muito firmes, mas a Dacia garante que as versões vendidas a clientes particulares terão direito a bancos mais macios.

Depois de virar a chave, as primeiras voltas ao volante são surpreendentes, com um carro bastante animado de 0 a 50 km/h. É preciso dizer que com apenas 970 quilos quando vazio, nosso Spring atua como um peso-pena na categoria de carros elétricos. Na cidade, o Spring é bastante ágil com um raio de rolagem de apenas 4,80 metros, direção bastante suave, suspensões não muito firmes e visibilidade decente.

Teste Dacia Spring - (Kwid elétrico)

O Dacia Spring está equipado com um modo "Eco" que permite ganhar de 9 a 10% de autonomia ao limitar a potência do motor a 31 cavalos e a velocidade máxima a 100 km/h. Infelizmente, fica um pouco fraco para o meu gosto, especialmente porque nosso trajeto de teste consistiu em alguns trechos de vias expressas. Ficou um pouco rápido demais, aliás, para o nosso Spring, que não é nenhum foguete quando se trata de velocidades acima de 50 km/h.

Nas vias secundárias, o Dacia Spring deixa ótima impressão. Aquela dos carros de vinte anos atrás com sensações de condução muito "pronunciadas". Em alta velocidade e em estradas acidentadas, você terá que segurar o volante com as duas mãos e às vezes saber como aliviar quando necessário, o chassi não é exatamente um exemplo de absorção.

Os pneus Linglong chineses também oferecem uma aderência razoavelmente média, o que nos encantará às vezes com um eixo traseiro levemente brincalhão ao frear. Este Dacia Spring pode ser muito divertido. É também consequência da disposição do motor, muito baixo, e da bateria, colocada embaixo do banco traseiro, que permite que a mola tenha um centro de gravidade inferior à média de sua categoria.

Dacia Spring (Kwid elétrico)

Mas provavelmente esse não será o principal uso dos clientes, que buscarão mais um carro seguro e de maneira alguma perigoso. O Dacia Spring certamente não é arisco, já que, em geral, a potência do motor restringe qualquer excesso de adrenalina. Nas estradas estreitas, descreveremos o Spring como "divertido". Um pouco menos nas estradas principais, em particular nas vias expressas, onde a sua pegada pelo vento é, como no Renault Twingo, um pouco marcada.

Sem falar que esse tipo de viagem consome muita energia, como acontece com todos os carros elétricos, com cerca de 23 kWh/100 quilômetros medidos a 125 km/h, ou cerca de 120 quilômetros de autonomia neste ritmo. Num ritmo convencional, entre ciclo urbano e secundário, registramos um consumo em torno de 13 kWh/100 quilômetros, ou pouco mais de 200 quilômetros com uma única carga, o que nos parece justo.

Teste Dacia Spring - (Kwid elétrico)

Quanto custa?

Em seguida, vem o capítulo mais importante para um Dacia: os preços. A Dacia anuncia que o Spring é o carro elétrico mais acessível da Europa e é apresentado, na França, com preço a partir de 12.403 euros (R$ 81.300), uma vez deduzido o bônus de 4.587 euros, e não de 7.000 euros, porque o bônus máximo também se limita a 27% do preço de tabela do carro. Este é o preço da versão "Confort". Já o modelo "Comfort Plus" sai por 13.498 euros (R$ 88.540), com o abatimento do bônus. 

A versão que aparece na foto é um modelo "Business" que estará disponível a partir de março para serviços de compartilhamento de veículos. É tabelado a partir de 16.890 euros (R$ 110.800), sem bônus. A Dacia nos disse ainda que está a caminho uma versão com preço inferior a 10.000 euros (R$ 65.000) com abatimento de bônus e para clientes particulares.

Conclusão

Menos versátil que um Renault Zoe e até mesmo um Twingo Electric, o Dacia Spring é muito mais divertido de dirigir e especialmente muito mais barato de comprar, cerca de 3.000 euros (R$ 19.680) a menos que o primeiro Twingo Electric e quase duas vezes mais barato que um Zoe.

O Dacia Spring será um excelente segundo carro, para viagens curtas diárias e uso cotidiano. Resta saber se o público vai aderir a ele, especialmente porque um Sandero, um pouco mais barato, mais versátil e com melhor acabamento, certamente levará os clientes a questionarem o interesse de migrar para a eletrificação.

Pontos positivos Pontos negativos
Comportamento dinâmico garante diversão Isolamento acústico apenas razoável
Pacote de série honesto Não tem banco traseiro dividido
Preço imbatível Fica mais fraco acima de 50 km/h

Siga o InsideEVs Brasil no Twitter

Siga o InsideEVs Brasil no Facebook

Siga o InsideEVs Brasil no Instagram

Dacia Spring Electric

Motor Motor elétrico síncrono de ímã permanente
Potência 44 cv
Torque máximo 12,5 kgfm
Bateria Íon-lítio (27,4 kWh)
Autonomia elétrica 230 quilômetros (WLTP)
Tipo de recarga Monofásico de 2 kW a 6,6 kW
Tempo de recarga Recarga rápida de 0 a 100% em 1h30 (30 kW)
Transmissão Câmbio automático de uma marcha
Tipo de direção Tração dianteira
0 a 100 km/h 19,1 segundos
Velocidade Máxima 125 km/h
Comprimento 3,73 metros
Largura 1,58 metro
Altura 1,52 metro
Peso 970 kg (vazio)
Volume do porta-malas 290 à 620 litros
Número de assentos 4
Consumo de combustível 13,9 kWh/100 km
À venda 2021
Preço de entrada 16.990 euros
Preço como testado 16.890 euros