SUV tem autonomia de até 65 km no modo 100% elétrico e estreia em junho

Revelado no Salão de Bruxelas, em janeiro, o novo Renault Captur E-Tech começa a ser produzido na Espanha. Produzido sobre a plataforma CMF-B (a mesma usada pela nova geração do Clio) é o primeiro veículo híbrido plug-in fabricado pelo Grupo Renault e parte de uma nova ofensiva de eletrificação da marca.  

O trem de força híbrido do novo Captur E-Tech é composto por um motor a 1.6 litro a gasolina e dois motores elétricos que produzem um total de 160 cv de potência. A bateria de 9,8 kWh (400 volts) garante autonomia de até 50 km no modo 100% elétrico (65 km em uso urbano) com velocidade máxima de 135 km/h nessa condição. 

Galeria: Renault Captur E-Tech

 

Bem acertado, o conjunto promete consumo de impressionantes 66,7 km/l (1,5 l/100 km) em ciclo WLTP com emissões de apenas 33 g/km de CO2. Há dois modos de condução: 'Pure', para condução totalmente elétrica e sem emissões e o 'Sport', que trabalha com os dois tipos de motores para melhor desempenho. O modelo também conta com o botão 'E-Save', que prioriza o motor a gasolina para poupar o uso da bateria. 

Popular na Europa, o Renault Captur já teve mais de 1,6 milhão de unidades produzidas no continente desde o seu lançamento, em 2013. O lançamento está marcado para junho mas os preços ainda não foram divulgados.

Brasil

Diferente do modelo europeu, o Captur brasileiro é feito sobre a mesma plataforma do Duster e ainda está na primeira geração, enquanto esta versão híbrida é baseada na atualização mais recente do utilitário. Produzido em São José dos Pinhais, o Captur nacional espera pela renovação em algum momento do primeiro semestre de 2021. Ela deve vir também com uma nova opção de motorização a combustão 1.3 turbo de 150 cv (recém-lançado na Rússia) e por enquanto não tem a confirmação desta interessante versão híbrida.