Desde que outras montadores também resolvam aderir

A Volvo anunciou recentemente que todos os novos modelos estão agora limitados a uma velocidade máxima de 180 km/h para reduzir ferimentos graves e mortes em acidentes. Alguns podem perceber isso como um movimento bastante controverso.

Diretamente, não está relacionado a carros elétricos, mas é bastante interessante e, na verdade, pode trazer um resultado positivo significativo para veículos elétricos em comparação aos carros convencionais, especialmente se outros fabricantes também seguirem a mesma direção que a marca sueca.

Galeria: Volvo XC40 Recharge (2020)

A Volvo já é uma das pioneiras, como alguns anos atrás - como uma das primeiras a anunciar - que todos os novos modelos (a partir de 2019) serão eletrificados (híbridos, híbridos plug-in ou totalmente elétricos).

"No entanto, a Volvo Cars acredita que tem a obrigação de continuar sua tradição de ser pioneira na discussão em torno dos direitos e obrigações das montadoras de tomar medidas que possam salvar vidas, mesmo que isso signifique perder clientes em potencial".

"Acreditamos que uma montadora tem a responsabilidade de ajudar a melhorar a segurança no trânsito", disse Malin Ekholm, chefe do Volvo Cars Safety Center. "Nossa tecnologia de limitação de velocidade e o diálogo que ela iniciou se encaixam nesse pensamento e o Care Key ajudam as pessoas a refletirem e perceberem que a velocidade é perigosa, além de proporcionar tranqüilidade extra e apoiar um melhor comportamento do motorista."

Vamos imaginar o que significaria se, mais comumente, carros novos fossem limitados a 180 km/h:

Em primeiro lugar, os carros elétricos geralmente são equipados com uma transmissão de velocidade única - uma marcha que vai de zero à velocidade máxima sem nenhuma embreagem (um motor elétrico não tem problema de marcha lenta e pode reverter simplesmente girando na direção contrária).

Existe uma desvantagem importante de ter apenas uma marcha, se você deseja alta velocidade máxima: você precisa sacrificar a aceleração inicial (pelo menos se você optar por não dimensionar demais o motor elétrico para centenas de kW, o que acontece nos modelos de topo). Na maioria dos elétricos convencionais, a velocidade máxima não é muito alta; portanto, a configuração de marcha única funciona perfeitamente, é simples, confiável e econômica. Os EVs de ponta, como o Porsche Taycan ou o Rimac, estão equipados com uma configuração de duas marchas.

Se a maioria dos carros convencionais também estivesse limitada a uma velocidade de cerca de 180 km/h, eles perderiam muito de sua vantagem sobre os carros totalmente elétricos devido às transmissões de várias velocidades. Ou seja, muitos elétricos chegariam a mesma velocidade máxima, e com aceleração mais rápida.

O que mais podemos ver no futuro das velocidades máximas reduzidas? Bem, os carros de combustão interna perderão a vantagem de rodar rapidamente na estrada. Uma velocidade máxima mais baixa para os elétricos também resultaria em menor consumo de energia e maior autonomia.

Somos apenas observadores do mercado automotivo. No final, os consumidores decidirão se querem carros com limitações tão estritas ou não. O tempo irá dizer.