A agência norte-americana EPA conduziu diversos testes e ampliou sua autonomia oficial

  • Elon Musk havia contestado o teste anterior realizado com o modelo
  • Lançado em 2013, o Tesla Model S tem recebido melhorias contínuas para maior eficiência

Peça chave para a popularização dos carros elétricos, a autonomia é um item que tem recebido total atenção por parte das montadoras. Nesta semana, a agência norte-americana EPA divulgou dados atualizados de quilometragem do Tesla Model S Long Range Plus: 20% superior ao Model S 100D do ano passado com uma bateria semelhante.

De acordo com novos dados, a reserva de energia do carro elétrico agora é de 402 milhas ou 646 quilômetros. Assim, o Tesla Model S se torna o primeiro carro elétrico da história com uma autonomia oficial de mais de 400 milhas (640 km).

Galeria: Tesla Model S P100D

Anteriormente, Elon Musk reclamou que seu carro elétrico foi testado incorretamente pela EPA, de acordo com a CNN. Ele observou que os especialistas da agência deixaram o carro com portas destravadas e o modo noturno acionado, que colocou o veículo automaticamente no modo de espera e consumiu 2% da energia da bateria. Novos dados foram obtidos no novo teste.

O Tesla Model S foi lançado em 2013 e ao longo desses anos a empresa atualizou continuamente o carro. Foi possível aumentar a reserva de energia usando baterias de maior capacidade, aumentando a eficiência dos motores elétricos e do sistema de recuperação de energia de frenagem, reduzindo o peso (para essa finalidade a Tesla até começou a fazer os próprios assentos), além de melhorar as qualidades aerodinâmicas das rodas e o uso de pneus com menor resistência ao rolamento.

Atualmente, existem três padrões mais conhecidos para medir a reserva de energia no mundo: a EPA norte-americana, o novo WLTP europeu e o antigo NEDC europeu, que foi preservado na China. Vale ressaltar que a metodologia EPA é que adota critérios mais rigorosos.