Marca britânica fará a segunda tentativa após o Rapid E

A Aston Martin planeja iniciar a produção de carros elétricos no Reino Unido a partir de 2025. Foi o que disse o presidente do conselho da montadora (COB), Lawrence Stroll, ao Financial Times. Em um segundo momento, um carro esportivo elétrico será construído na fábrica de Gaydon (a noroeste de Londres) e um SUV elétrico na fábrica de St. Athan (País de Gales).

No entanto, a marca britânica pretende continuar a fabricar motores de combustão interna na próxima década. Um dos modelos mais recentes do fabricante é um supercarro esportivo com motor V12 chamado Valkyrie. Mas um sistema híbrido V6 para um carro esportivo chamado Valhalla e o próximo Vanquish também estão nos planos. Uma versão híbrida plug-in do DBX está programada para chegar ao mercado em 2023.

Galeria: Aston Martin Rapide E

A Mercedes, cuja controladora Daimler tem uma participação na Aston Martin, poderia fornecer as baterias para os carros elétricos; no entanto, outras opções também estão sendo consideradas, diz Stroll. Já foi acordado que a Aston Martin receberá unidades de propulsão híbridas e elétricas da empresa com sede em Stuttgart, como a Managermagazin relatou em outubro. Em troca, a Daimler recebe ações da empresa e pretende aumentar sua participação na Aston Martin para 20% nos próximos anos.

Um primeiro acordo já foi fechado, mas não se sabe qual tecnologia está envolvida nele. Um ponto de partida comum, entretanto, poderia ser a eletrificação planejada da linha AMG. Assim poderíamos ver um elétrico EQS com versão AMG, segundo rumores. 

A Aston Martin inicialmente pretendia lançar o Rapide E como o seu primeiro modelo elétrico e reviver a marca Lagonda para vender exclusivamente carros elétricos, mas os planos foram abandonados em 2020 depois de a empresa ter sido resgatada pela Stroll (que é também a maior acionista) devido a custos excessivos. Agora a Stroll parece ter mudado de ideia por conta da nova situação. 

Subsídios do governo britânico, que poderiam atrair investimentos após o Brexit, poderiam ter um papel fundamental nesse movimento. Stellantis, a fusão da PSA e da Fiat Chrysler (FCA), recentemente pediu ajuda para produzir veículos elétricos nas instalações do porto de Ellesmere em Vauxhall. Além disso, o ministro britânico de Assuntos Econômicos, Kwasi Kwarteng, discutiu recentemente a localização de uma Tesla Gigafactory na Inglaterra.

Siga o InsideEVs Brasil no Twitter

Siga o InsideEVs Brasil no Facebook

Siga o InsideEVs Brasil no Instagram

Galeria: Aston Martin DBX - impressões ao dirigir