Montadoras acreditam que as regras de emissões Euro7 serão tão rígidas que tornarão os motores a combustão inviáveis

A proibição dos carros a gasolina e a diesel na Europa está cada vez mais próxima da realidade. Mas o banimento dos motores de combustão interna pode ocorrer de forma 'disfarçada', ou seja, por meio de regras de emissões tão rígidas que os tornariam inviáveis para as montadoras produzi-los - e esse parece ser o cenário que se desenha na União Europeia. 

Previsto para entrar em vigor em 2025, o conjunto de normas Euro 7 tem sido alvo de ampla discussão na UE. Nessa questão, o destaque é a proposta apresentada em outubro passado pelo Consortium for Ultra Low Vehicle Emissions (Clove), um grupo de consultores de engenharia da Comissão Europeia, responsável por conduzir o processo de mudança na legislação ambiental.  

Galeria: Volkswagen Golf GTE (2020)

De acordo com a matéria publicada pelo site britânico Autocar, a European Automobile Manufacturers Association - ACEA, associação que representa os fabricantes europeus, afirma que, na prática, a nova legislação irá proibir os motores de combustão interna (inclusive os híbridos): 

"A ACEA acredita que os cenários de limite de emissões apresentados pelo Clove, juntamente com as novas condições de teste sugeridas, resultariam na prática em uma situação muito semelhante a uma proibição de veículos movidos por um motor de combustão interna, incluindo veículos híbridos"

Ford Fiesta híbrido leve

A proposta é impactante, mas há exemplos de montadoras, como a Nissan, que já declararam estarem atentas a este movimento, se preparando para lidar com alguns cenários possíveis. No caso da marca japonesa, o pensamento também é de que com a adoção de regras de emissões muito restritivas, provavelmente vai acabar sendo mais barato fabricar carros elétricos. 

Ainda que receba modificações, de forma a se tornar menos restritivo em relação ao que o consórcio propõe, o Euro7 tem o potencial real de tornar os carros a combustão economicamente inviáveis para a produção em grande escala.

Outra questão apresentada é a possibilidade do novo regramento colocar em xeque os carros esportivos e de alto desempenho, por conta da forte restrição de emissões que afeta ainda mais esse tipo de veículo.  

Hyundai Ioniq 5 (2021) - movimento destaque

Alternativa cara

A proposta do consórcio deixa uma alternativa para os carros com motores a combustão: um sofisticado 'supercatalisador' de vários estágios. No caso específico dos carros a gasolina, isso significa adotar um catalisador elétrico aquecido, um catalisador duplo de 3 vias de 1 litro, um filtro de partículas de 2 litros e um catalisador de amônia. 

A ACEA argumenta que instalar um sistema tão complexo como esse seria praticamente impossível em um carro compacto e muito difícil de adaptar para diferentes modelos e plataformas de veículos - em resumo, uma solução que pode encarecer demais o preço final.

Por fim, o consórcio ainda oferece a alternativa de que os carros com motores a combustão sejam equipados com um sofisticado sistema de diagnóstico que monitore o motor para garantir que ele permaneça em conformidade com as emissões por 240.000 quilômetros. 

A conclusão de muitos membros da indústria automobilística europeia é de que as propostas têm o objetivo claro de desestimular a produção de motores a combustão e forçar o mercado europeu a migrar de forma consistente para a mobilidade elétrica, ainda que não faça isso de forma declarada. 

Siga o InsideEVs Brasil no Twitter

Siga o InsideEVs Brasil no Facebook

Siga o InsideEVs Brasil no Instagram

Fonte: Autocar