Proposta para o Euro 7 tem limites de emissões muito exigentes, o que inviabilizaria os motores a combustão

Se atualmente a situação já está difícil para as principais das montadoras em termos de adaptação às atuais regras de emissões na Europa, a próxima fase da norma antipoluição pode deixar tudo mais complicado. Com o objetivo de cumprir as metas estipuladas no Acordo de Paris, a União Europeia quer restringir de forma contundente os limites de CO2.   

Esses padrões são definidos pela Comissão Europeia, que recentemente recebeu uma nova proposta elaborada por um conjunto de especialistas no assunto, chamado de Assessoria sobre Normas de Emissões de Veículos (AGVES). O novo regulamento proposto prevê um limite de emissões bem mais exigente para o Euro 7, que entra em vigor a partir de 2025.

Galeria: Volkswagen Golf eHybrid

O futuro regulamento ainda está em discussão e longe de ser concluído. Mas as metas ambiciosas preocupam bastante os principais fabricantes de automóveis com motores a gasolina e a diesel. Na prática, se tais medidas forem levadas a cabo, isso simplesmente levaria ao banimento dos carros a combustão a partir de 2025 na região. 

No entanto, entidades que representam os fabricantes têm contestado essa mudança tão radical. Uma delas é a VDA (Associação Alemã da Indústria Automotiva), que faz um alerta: 

"Com a introdução do padrão EU-7 planejado, a Comissão da UE banirá de fato os carros com motores de combustão a partir de 2025", disse Hildegard Müller, presidente da VDA. 

Opel Corsa-e - recarga

Müller também disse que a mudança para os carros elétricos a bateria no curto prazo não é uma solução ideal, pois ainda falta infraestrutura de carregamento. Ele defendeu o investimento em combustíveis renováveis e em células de combustível em vez de proibições. "O problema não está no motor a combustão, mas no combustível", acrescentou.

Em tese, a legislação não proibiria os carros a combustão, mas os limites de emissões são tão baixos que na prática esses motores deixariam de ser competitivos, se tornando inviáveis para as montadoras, decretando o seu fim.

De acordo com as informações divulgadas pelo diário alemão Bild, os especialistas do Grupo de Assessoria sobre Normas de Emissões de Veículos (AGVES) estabeleceram as seguintes recomendações para a norma Euro 7:

  • O limite de emissão para veículos novos será limitado a 30 mg de óxidos de nitrogênio por quilômetro (a recomendação inclui uma proposta ainda mais rígida, com máximo de 10 mg/km) - a norma atual prevê 60 mg/km para veículos a gasolina e 80 mg/km para o diesel.
  • As emissões de CO2 devem ser reduzidas para 100-300 mg/km, enquanto a regra atual define essa faixa entre 500-1000 mg/km.
  • Não haverá mais exceções no teste Real Driving Emissions (RDE), que mede as emissões de poluentes, como óxidos de nitrogênio (NOx) e partículas que os carros emitem ao rodar na estrada e Não é um substituto para o teste de laboratório WLTP.
  • Os veículos devem atender aos requisitos entre 10 graus abaixo de zero e 40 graus, e em altitudes de 1.000 e 2.000 metros acima do nível do mar.
  • Além disso, a vida útil dos veículos novos é definida em 15 anos e/ou 240.000 quilômetros, e estão incluídas as emissões produzidas na condução com reboque, bagageiro ou porta-bicicletas.

A decisão final sobre o regulamento Euro 7 deve ser tomada pela Comissão Europeia até o fim de 2021.

Fonte: Electrive, HibridosyElectricos

Galeria: Volkswagen ID.3 (2020) - teste