Propostas para a redução das emissões da frota de carros na União Europeia foram apresentadas de forma oficial

Agora é oficial: em 14 de julho, a Comissão da União Europeia apresentou suas propostas para reduzir as emissões de CO2. O programa é chamado 'Fit for 55' porque as emissões de gases de efeito estufa em 2030 devem ser reduzidas em 55 por cento em comparação a 1990 e isso inclui a proibição da venda de carros a gasolina e a diesel na Europa em 2035

Enquanto a redução de CO2 em 55 por cento (em todos os setores da economia) é um assunto encerrado, a forma como esse objetivo será alcançado ainda tem que ser determinada por Bruxelas (sede da UE). A comissão liderada por Ursula von der Leyen já fez propostas para colocar o plano em prática.

Galeria: V2G, a tecnologia "Vehicle to grid"

Para a indústria automotiva, é particularmente importante o quanto as emissões do transporte particular devem ser reduzidas. Os valores-limite para as emissões da frota em 2030 devem ser reduzidos em 55 por cento, ou seja, exatamente o mesmo que as emissões de todos os setores como um todo. Uma redução de 60 ou 65 por cento foi mencionada com antecedência, mas a França foi alegadamente contra essa meta ainda mais ousada.

Fim dos motores a diesel e gasolina

Em 2035, o limite da frota deverá então ser zero grama de CO2 por quilômetro rodado. Na prática, isso significa o fim da venda de carros novos com motores de combustão (diesel e gasolina), mas também de híbridos, híbridos plug-in e a gás natural. Só poderão ser vendidos na Europa carros elétricos ou a células de combustível a hidrogênio

A data final de 2035, no entanto, ainda não está selada. Em primeiro lugar, a data em si ainda está sujeita a uma reserva: caso os fabricantes não consigam atingir a meta, ela pode ser ajustada. Em segundo lugar, o Parlamento da UE e o Conselho de Ministros ainda têm de dar a sua aprovação. Mudanças ainda são possíveis.

Teste Volkswagen ID.3 (2020) - recarga

Além das disposições sobre as emissões da frota, o pacote climático da UE contém muitas outras propostas, como regulamentos para a ampliar a rede de carregamento. Além disso, um novo esquema para taxar emissões do tráfego e edifícios deve ser introduzido - já existe um sistema denominado ETS para a geração de energia e para a indústria intensiva em energia.

A fim de compensar as consequências sociais desses aumentos de preços para as famílias mais pobres e os estados membros mais pobres, um fundo social deve ser criado para o qual parte das receitas das taxas de emissões para transporte e edifícios irão fluir. Além disso, um imposto de importação com base em CO2 será introduzido. Quando importados, são adicionados ao preço de matérias-primas que consomem muita energia, como aço ou cimento, se forem gerados com eletricidade de fontes fósseis. 

Qualquer pessoa interessada nos detalhes (complicados) pode ler as sugestões exatas nos extensos arquivos PDF em inglês:

Siga o InsideEVs Brasil no Twitter

Siga o InsideEVs Brasil no Facebook

Siga o InsideEVs Brasil no Instagram