InsideEVs foi a primeira mídia ocidental a ter contato com o sedã elétrico que está incomodando Elon Musk.

O InsideEVs teve a honra de ser o primeiro veículo de comunicação ocidental a ter contato com o sedã elétrico Xpeng P7, coincidindo com a estreia muito bem sucedida da empresa na Bolsa de Valores norte-americana, com ganho de 40% das ações já no primeiro dia. Estávamos bastante ansiosos para conferir de perto um pouco do que o P7 é capaz, uma vez que o modelo tem despertado a atenção no mundo todo, mesmo que em um primeiro momento ele só esteja disponível na China

O que é?

Como já dissemos algumas vezes, o P7 é visto como um concorrente direto do Tesla Model 3, embora em termos de tamanho ele seja um intermediário entre o Model 3 e o Model S. Isso porque seu preço está na mesma faixa do Model 3, e até um pouco abaixo disso. Isso torna o Xpeng P7 uma proposta de valor atraente, se tiver um bom desempenho, que é o que nos propusemos a descobrir. 

Galeria: Xpeng P7 Performance

Outro destaque é que o P7 também é o veículo elétrico com maior autonomia fabricado atualmente na China, superando o Tesla Model 3 Long Range em 38 km. O P7 com tração traseira tem uma classificação NEDC para 706 km e o Tesla Model 3 Long Range pode percorrer 668 km de acordo com a homologação do Ministério Chinês da Indústria e Tecnologia da Informação (MIIT). 

Para mostrar o carro, a Xpeng alugou uma grande parte do estacionamento do MetLife Stadium para nós em East Rutherford, New Jersey, apenas alguns quilômetros a oeste de Wall Street, do outro lado do rio Hudson. 

Xpeng P7 volante

Como anda?

O Xpeng foi testado em um circuito preparado que permitia aceleração de 0 a 110 km/h, frenagem de emergência, slalom, mudança de faixa de emergência e uma boa quantidade de curvas bruscas. O P7 teve um desempenho admirável, não exatamente no padrão de alguns sedãs de alto desempenho conhecidos globalmente, mas se manteve firme. 

Eu poderia definitivamente dizer que a suspensão foi configurada mais para uma viagem confortável do que para entrar em curvas fechadas a 80 km/h, mas como eu menciono no vídeo, acredito que é mais um produto da Xpeng entregando o que o típico cliente chinês deseja. Depois de testar um pouco dos limites do sedã, foi muito divertido de dirigir e bastante previsível. 

A frenagem em linha reta foi excepcional com o sistema de freios Brembo, mas na pista, consegui fazer o sistema de frenagem ABS travar por um instante sob uso muito intenso. Suspeito que isso poderia ser corrigido com uma atualização de software, e um pouco surpreso porque ainda não foi feito. Falando nisso, o P7 é um veículo extremamente bem conectado e é capaz de fazer atualizações online para muitos de seus sistemas. 

Quanto à frenagem regenerativa, existem duas configurações; uma configuração de regeneração forte e fraca. A configuração forte não é extremamente forte e o veículo não é capaz de ser conduzido com apenas um pedal. Eu não consegui parar durante a regeneração e ele tinha um creeping artificial que eu não conseguia desligar. No entanto, simplesmente não consegui descobrir como fazer isso e estou recebendo esclarecimentos de Xpeng sobre como proceder. Quando tiver uma resposta, o artigo será atualizado. 

Xpeng P7 fazendo curva

Talvez a maior reclamação que tenho com o P7 é que há uma certa hesitação antes de entregar potência. Não é muito; talvez 1/8 de segundo ou mais, mas fiquei tão acostumado com os elétricos saltando à frente no instante em que encosto o pé no acelerador que qualquer hesitação me incomoda agora.

A Xpeng afirma que o modelo P7 Performance com tração nas quatro rodas que dirigi tem 430 cv e pode acelerar de zero a 100 km/h em 4,3 segundos, o que pareceu de acordo com impressões. Eu acho que se eles conseguirem eliminar esse pequeno delay, a arrancada do sedã elétrico nesse intervalo pode ficar mais perto de 4 segundos.

Conclusão 

O Xpeng P7 tem falhas, mas não deixaríamos que isso nos impedisse de comprar um. Ele tem muito a oferecer pelo preço, incluindo uma bateria com controle térmico de 80,87 kWh que dá à versão com tração traseira do P7 a maior autonomia entre todos os veículos elétricos produzidos na China. A versão de desempenho com tração nas quatro rodas que dirigi tem cerca de 128 km a menos de alcance na classificação NEDC, o que provavelmente se traduzirá em cerca de 80 km a menos no ciclo de teste norte-americano EPA.

O P7 vem com um conjunto de sistemas avançados de assistência ao motorista, incluindo o XPilot da Xpeng, que atualmente é capaz de dirigir com autonomia de nível 2. Xpeng nos diz que o P7 tem o hardware para autonomia de nível 3, e irá atualizar os veículos OTA até o início de 2021, assim que a China aprovar oficialmente recursos autônomos de nível 3 para serem usados ​​em vias públicas.

O P7 pode carregar de 30% a 80% em 28 minutos, mas não conseguimos determinar a taxa de carga rápida DC exata que ele é capaz de suportar. A Xpeng diz que pode reabastecer 120 km de autonomia em dez minutos de carregamento e tem duas portas de carga em ambos os lados dos pára-lamas dianteiros. Um para carregamento rápido DC e um dedicado para carregamento AC.

As entregas para os clientes do P7 começaram no final de junho, com um preço inicial de RMB 229.900 a 349.900 (R$ 181.550 a R$ 276.320) após os subsídios para veículos de energia limpa terem sido considerados. A representante da Xpeng no evento de avaliação nos disse que a Xpeng já entregou mais de 18.700 unidades do P7 para compradores na China até o final de julho.