US$ 4 trilhões em 4 anos: esta é a quantia que o presidente eleito quer destinar para a transição energética

Joe Biden é um grande entusiasta de carros. Culpa, por assim dizer, de um pai que vendia carros, pelo menos durante um certo tempo. Quando se trata de automóveis e Biden, a primeira coisa que vem à mente é seu famoso Chevrolet Corvette conversível 1967 em um elegante Goodwood-Green.

Mas o interesse do presidente eleito vai além dos carros clássicos: o desafio Trump-Biden, em termos de clima e carros elétricos, não deve ser subestimado. O plano de Biden é ambicioso para reviver a indústria de quatro rodas e acompanhá-la na transição energética. Ele já prometeu apoio fiscal para a mobilidade elétrica, ilustrou um plano para atualizar a infraestrutura de carregamento e, de forma mais geral, investimentos para acelerar a disseminação da produção de energia de fontes renováveis.

Galeria: Tesla - fábrica Fremont

O retorno à era Obama

A primeira coisa que Biden disse em termos de meio ambiente é iniciar uma mudança geral de curso com respeito às políticas de Trump. O vice-presidente de Obama, Biden bem no caminho traçado pelo último inquilino democrata da Casa Branca quer voltar. Por exemplo, colocando os Estados Unidos novamente no Acordo de Paris.

Fontes renováveis: eólica e solar

E então, gradativamente reintroduzindo uma série de limitações à exploração de recursos e matérias-primas para tornar sustentável um modelo econômico dos Estados Unidos em que Trump, segundo a Universidade de Harvard, cancelou 80 leis ambientais relativas principalmente a setores da indústria pesada, como mineração e extração e produção de energia.

US$ 4 trilhões para se tornarem verdes

Nos quatro anos da sua presidência (dada a sua idade, é improvável que concorra a um segundo mandato), Biden quer lançar as bases para a descarbonização mais profunda e radical da história dos Estados Unidos. Isso será feito alocando um total de 4 trilhões de dólares. Destes, metade irá para apoiar as energias renováveis ​​para tornar os Estados Unidos totalmente independentes do carvão e do petróleo até 2035. Quinze anos depois, em 2050, existe a intenção de tornar toda a nação totalmente neutra em carbono.

A transição energética não será realizada apenas por razões ambientais. Biden, que já criou uma força-tarefa de especialistas para coordenar iniciativas nesse sentido, está convencido de que o desenvolvimento de uma economia verde levará à criação de milhões de empregos. Somente na indústria automotiva, a transição para modelos eletrificados, considerando toda a cadeia de suprimentos, criará mais de um milhão de vagas.

Imagens de progresso do Tesla Gigafactory 3

63 milhões de carros elétricos em 10 anos

Chegamos aos carros. Um dos principais objetivos do Biden é apoiar a criação de uma frota de veículos com emissão zero. A intenção é substituir 63 milhões de carros a gasolina por carros elétricos em 10 anos. Para fazer isso, vai revisar um plano democrata de financiar US$ 450 bilhões que permitirá que os motoristas americanos descartem seus carros poluentes e comprem um a bateria com descontos a partir de US$ 3.000.

Mas outros incentivos também estão sendo estudados. Na América, na época, você poderia desfrutar de uma redução de impostos de US$ 7.500 na compra de um carro elétrico. Mas essa iniciativa está em vigor apenas nos primeiros 200.000 carros vendidos por cada fabricante. Por isso, por exemplo, quem compra um Tesla não pode mais se beneficiar dele. Biden quer aumentar esse limite para 600.000 carros por fabricante, dando mais vantagens para quem constrói carros nos Estados Unidos (e aqui, Elon Musk , está esfregando as mãos).

E depois há também o desejo de renovar todo o setor de transporte público, também aqui com uma transição gradual para veículos menos poluentes, começando pelas empresas que operam em cidades com mais de 100.000 habitantes.

Estação do Supercharger de Nebbenes em Eidsvoll Verk, Noruega

Recuperando o tempo perdido

As metas são ambiciosas e os EUA, em comparação com a Europa e a China, parecem estar atrasados. Ao nível de infraestrutura, por exemplo, com uma rede de estações de carregamento ainda pouco difundida, ao nível das tecnologias de baterias e também ao nível da oferta de modelos verdes disponíveis no mercado.

Biden quer intervir em todas as frentes, financiando pesquisas para desenvolver novas tecnologias, aumentar a infraestrutura de recarga das atuais 87.600 para 500.000 estações até 2030, apoiando os fabricantes que tentam comercializar carros com emissão zero.

Em tudo isso, porém, o maior desafio será acompanhar a transição energética ajudando também a indústria "tradicional" que nos EUA tem um peso específico muito alto. Acompanhar as empresas petrolíferas, multinacionais de carvão e produtores de combustíveis fósseis no futuro será a tarefa mais difícil. Agora nos resta esperar e ver como tudo isso vai ser colocado em prática.