São muitos os desafios dos veículos elétricos, sendo a segurança um dos principais. No início de 2021 a Hyundai anunciou um recall global de 82 mil carros elétricos para substituir suas baterias, após 15 relatos de incêndio envolvendo os veículos da marca.

Agora, a General Motors confirma que vai realizar o recall de todos os veículos elétricos Bolt vendidos no mundo devido o mesmo risco de incêndio.

Para que você tenha ideia do que estamos falando, substituir uma bateria inteira é uma medida extrema, que exige a mesma quantidade de trabalho e despesas que para substituir um motor inteiro de um carro movido a combustão interna.

E nessa história, poucos recalls de carros movidos a gasolina, exigem a substituição de um motor inteiro, como foi o caso de um recall acontecido em 2014 de 785 unidades do Porsche 911 GT3.

A Tesla também teve problemas com incêndios de baterias no início de sua jornada, mas o fato estava relacionado a pedras na estrada que danificavam as baterias. A maioria das baterias são instaladas na parte inferior do carro. A Tesla lidou com o problema adicionando mais blindagem para proteger as baterias.

Bolt-EV---Programação-90%

O valor estimado do recall da Hyundai foi da ordem de US$ 900 milhões. Em uma base por veículo envolvido, o custo médio ficou na faixa de US$ 11 mil — um número gigante para um recall.

O que não é diferente da GM. A substituição dos módulos de baterias em todos os veículos envolvidos custará cerca de US$ 1 bilhão à companhia.

O custo do recall da Hyundai, assim também como o da GM, revela o quanto ainda são caras as baterias de veículos elétricos em comparação com o valor do veículo inteiro. Até que o custo das baterias diminua, por meio de maior produção mundial e economias de escala, o custo de fabricação de veículos elétricos permanecerá mais alto do que carros a gasolina semelhantes.

Apesar da LG ser a mesma fabricante da bateria utilizada pela Hyundai e GM, os modelos são diferentes.

A Hyundai disse que uma investigação sobre os incêndios mostrou que algumas células defeituosas das baterias fabricadas pela LG podem entrar em curto-circuito.

Esse é o segundo recall do Chevrolet Bolt EV. Em novembro de 2020, cinco veículos pegaram fogo e pelo menos 2 pessoas inalaram fumaça. Uma casa foi incendiada e não ficou ao certo o que teria causado os incêndios.

A GM rastreou os incêndios ao que chamou na época de um raro defeito de fabricação em módulos de bateria que pode causar um curto em uma célula, provocando um incêndio.

O recall veio depois que a Administração Nacional de Segurança de Tráfego Rodoviário dos EUA abriu uma investigação sobre os incêndios no ano passado.

A agência disse em documentos que os incêndios começaram sob o banco traseiro enquanto os carros estavam estacionados e sem vigilância.

Os modelos elétricos da General Motors ainda representam uma pequena parcela das vendas gerais da montadora nos Estados Unidos. São cerca de 3 milhões de unidades vendidas por ano. Em 2020, o modelo foi o elétrico mais vendido do Brasil com 82 unidades.

O recall levanta questões sobre as baterias de íon de lítio, usadas em quase todos os modelos elétricos.

A GM e a LG Chem juntas determinaram que as baterias que pegaram fogo estavam quase totalmente carregadas.

Como solução temporária, os proprietários e revendedores foram instruídos a fazer alterações no software para limitar o carregamento a 90% da capacidade da bateria. Os automóveis – incluindo o novo Bolt EV SUV – devem ficar estacionados ao ar livre até a substituição.

Os engenheiros determinaram originalmente que apenas os parafusos com baterias fabricadas na fábrica da LG Chem em Ochang, Coreia do Sul, de maio de 2016 a maio de 2019 representavam risco de incêndio, mas esta expansão recente incluirá modelos com baterias fornecidas pela LG Chem's Holland, de Michigan.

O carregamento do veículo deve ocorrer com mais frequência e deve-se evitar esgotar a bateria abaixo de aproximadamente 113 quilômetros de autonomia, sempre que possível. A GM também recomenda estacionar o veículo imediatamente após o carregamento e não deixar o veículo carregando dentro de casa durante a noite.

A General Motors garante baterias de propulsão novas ou recondicionadas instaladas devido o recall por um novo período de cobertura de garantia de 8 anos / 160.000 km (o que ocorrer primeiro).

O recall do Bolt EV é importante, mas de menor intensidade em comparação com o recall da GM de 2,7 milhões de carros devido a interruptores de ignição defeituosos que poderiam causar a parada dos motores - o que foi responsabilizado por 124 pessoas mortas e 275 feridas. Esse recall custou à GM US$ 5,3 bilhões.

A CEO Mary Barra observou que a nova arquitetura de bateria Ultium da GM em desenvolvimento para produtos futuros, como GMC Hummer e Cadillac Lyriq, não foi afetada pelo problema.


Tarcisio Dias é profissional e técnico em Mecânica, além de Engenheiro Mecânico com habilitação em Mecatrônica e Radialista, desenvolve o site Mecânica Online® (www.mecanicaonline.com.br) que apresenta o único centro de treinamento online sobre mecânica na internet (www.cursosmecanicaonline.com.br), uma oportunidade para entender como as novas tecnologias são úteis para os automóveis cada vez mais eficientes.

Coluna Mecânica Online® - Aborda aspectos de manutenção, tecnologias e inovações mecânicas nos transportes em geral. Menção honrosa na categoria internet do 7º e 13º Prêmio SAE Brasil de Jornalismo, promovido pela Sociedade de Engenheiros da Mobilidade. Distribuição gratuita todos os dias 10, 20 e 30 do mês.
http://mecanicaonline.com.br/wordpress/category/colunistas/tarcisio_dias/

Siga o InsideEVs Brasil no Twitter

Siga o InsideEVs Brasil no Facebook

Siga o InsideEVs Brasil no Instagram