Elétrico virá ao país, mas só depois de chegar aos principais mercados.

  • Nissan Ariya será lançado no Brasil após chegar aos principais mercados globais
  • SUV elétrico inaugura uma nova fase da marca em termos de eletrificação e tecnologia

Poucos dias após a estreia mundial, em 15 de julho, o Nissan Ariya 2021 já aparecia no registro de patentes no Brasil. Desde então, aumentou bastante a expectativa de que o primeiro SUV elétrico da marca japonesa viria ao país, o que acabou sendo confirmado nessa semana pelo presidente da Nissan do Brasil, Marco Silva.

Criado para ser um modelo global, o Ariya será comercializado ao redor do mundo se valendo do trem de força que pode ser facilmente modificado e configurado de acordo com as necessidades regionais. Ele também marca uma nova era na eletrificação da Nissan, que começou com o pioneiro Leaf e agora avança para fase muito mais tecnológica. 

Galeria: Novo Nissan Ariya 2021

Durante entrevista ao Motor1, Marco Silva, presidente da Nissan do Brasil, foi questionado se o novo Nissan Ariya teria chances de vir ao país. O executivo respondeu afirmativamente e disse que após o lançamento em mercados como o Japão, Estados Unidos, Europa e China, o modelo deve desembarcar por aqui. Ele disse ainda que o projeto do veículo também foi aprovado para o Brasil - o registro de patentes no país corrobora isso

No entanto, Marco Silva ponderou que antes será feito um estudo de mercado para avaliar o público alvo dentro do universo de clientes de carros elétricos. Ele destacou a tecnologia embarcada e as possibilidade de configuração do trem de força elétrico e voltou a dizer que o modelo já estava programado para o nosso mercado, mas que terá uma parcela de vendas bem restrita, quase um carro de nicho. E completou: "se houver demanda, iremos trazer sim, mas hoje não é nossa prioridade (o lançamento no Brasil)."

Construído sobre a plataforma CMF-EV o Nissan Ariya tem um sistema de propulsão com duas opções: a primeira possui um motor elétrico na dianteira com potência de 160 kW (217 cv) e torque de 30,5 kgfm, enquanto a segunda terá duas unidades elétricas para um total de 290 kW (394 cv) e 61,2 kgfm e tração integral e-4FORCE.

Tanto a versão com tração dianteira como o modelo de tração integral podem optar pelos pacotes de baterias de 63 kWh ou 87 kWh. A autonomia na versão com tração dianteira fica entre 450 km e 610 km, dependendo da bateria escolhida. Já com tração integral, este número fica entre 430 km e 580 km, segundo o ciclo de testes no Japão.

Como dissemos, as vendas no Japão começam até meados de 2021, com lançamento nos EUA previsto para o final do ano que vem e preço estipulado na faixa de US$ 40.000 (R$ 214.600). A partir de 2022, o SUV elétrico chegará a outros mercados, inclusive o Brasil. Se mantiver o padrão de preços adotado lá fora, podemos esperar por valores cerca de 40% acima do Nissan Leaf, que atualmente custa R$ 195 mil.