Deste volume os totalmente elétricos responderão 82% das vendas de acordo com estudo da Deloitte

Em 10 anos, 32% dos carros vendidos no mundo serão elétricos ou híbridos plug-in. Esses são os principais dados que emergem da última pesquisa assinada pela Deloitte intitulada "Veículos elétricos, traçando um caminho para 2030".

O estudo mostra ainda que em 2030, entre todos os veículos eletrificados vendidos, 81,7% serão totalmente elétricos, enquanto os 18,3% restantes serão do tipo híbrido plug-in (PHEVs). Em termos absolutos, os veículos elétricos movidos a baterias (BEVs) atingirão 25,3 milhões de unidades enquanto os PHEVs alcançarão 5,8 milhões. E quanto aos carros com motor tradicional? Eles terão um bom desempenho momentâneo antes que os carros elétricos sejam totalmente estabelecidos, a menos que proibições específicas, comentadas em todo o mundo, ocorram e possam acelerar ainda mais a tendência.

Transição irreversível

O veredito da grande consultoria é claro: a transição energética já está desencadeada e não é reversível. No entanto, isso não significa que os carros a diesel e a gasolina desaparecerão da noite para o dia. De acordo com o estudo, de fato, assim que a tragédia da pandemia acabar, haverá uma retomada econômica que em breve levará também a uma expansão do mercado de carros a combustão.

Lo studio Deloitte sulla diffusione delle auto elettriche da qui al 2030

Isso é pelo menos até 2025. Estima-se que 81,7 milhões de veículos com combustível tradicional serão vendidos nos próximos 5 anos. Nesse ínterim, os veículos elétricos passarão de 2,5 milhões em 2020 para 11,2 milhões em 2025 e, entre lá e 2030, chegarão a 31,1 milhões.

A UE persegue a China

De acordo com o estudo, os carros elétricos crescerão em média 29% ao ano na década que acaba de começar. Em 2030, portanto, conforme mencionado, eles representarão aproximadamente 32% da frota em circulação. A distribuição não será homogênea. A China será o principal mercado, com uma porcentagem de carros elétricos no total de registros igual a 48%. A Europa (que registra os melhores números de vendas em 2020) seguirá de perto, com uma participação de 42%, enquanto os Estados Unidos ficarão um pouco atrás e não passarão de 27%.

  • China: participação de EV no mercado doméstico 48%
  • União Europeia: participação de EV no mercado doméstico de 42%
  • EUA: participação de EV no mercado doméstico de 27%
Lo studio Deloitte sulla diffusione delle auto elettriche da qui al 2030

China continua em primeiro lugar

A China, que ainda tem uma certa vantagem competitiva sobre o resto do mundo, terá 49% de todos os veículos eletrificados em circulação dentro de suas fronteiras em 2030; A Europa ficará em segundo lugar com 27% e os EUA em terceiro, com 14%. O Velho Continente, entretanto, está demonstrando um compromisso incomparável.

Mas voltando por um momento à Europa, a sensação também transmitida pela Deloitte é que no Velho Continente ainda haverá um certo desequilíbrio entre os estados mais ricos e os mais pobres, com os primeiros que graças a melhores infraestruturas e maiores investimentos verão uma maior difusão carros elétricos e este último que, devido à piora da situação econômica, chegará mais tarde.