Primeiro exemplar do elétrico vindo da China será entregue a um comprador francês

Nos planos iniciais de Elon Musk, o carro elétrico mais vendido do mundo, o Model 3 e todos os outros futuros veículos elétricos da Tesla produzidos no complexo Shanghai Gigafactory, na China, deveriam ser vendidos exclusivamente no mercado chinês.

Musk afirmou várias vezes, explicando também que a construção daquela Gigafactory era necessária dada a crescente demanda pelo Model 3 no maior mercado asiático (e no mundo, mesmo que algo esteja mudando) e não foi um movimento ditado por outros motivos, como, por exemplo, contornar as políticas econômicas dos EUA em relação a Pequim.

Galeria: Tesla Gigafactory 3

Mudança de planos

Mas agora as coisas mudaram. Isso foi claramente demonstrado pelo site francês Green Drive, que encontrou uma indicação clara da proveniência do carro na guia de remessa de um Model 3 adquirido na França: "Made na China".

A bolha do Tesla Modelo 3 chinês vendido na França

A mudança parece ditada por uma necessidade logística. Aparentemente, de fato, a Gigafactory de Fremont está se concentrando cada vez mais na produção do Model Y  (também para resolver os muitas vezes citados problemas de qualidade) e também por isso os prazos de entrega do Model 3 estão ficando maiores. 

Principalmente na Europa, onde a fábrica de Berlim deverá entrar em operação com ressalvas.  Deve-se notar que, neste contexto, a recente chegada do facelift de 2021 do sedã também pode ter influenciado de alguma forma.

 

O Model 3 chinês é diferente

Hoje em dia, o fato de um carro ser feito nos Estados Unidos ou na China já não faz mais grande diferença: a qualidade de construção não está mais em questão. 

Imagens de progresso do Tesla Gigafactory 3

Para o Tesla Model 3, no entanto, a história é um pouco diferente. Porque o carro é diferente. Exemplares do Model 3 com características distintas são produzidos na China e na América. E se algumas diferenças de montagem são particularmente sutis (além disso, com julgamentos a favor do 'Made in China'), ainda existe uma substancial: a bateria. Na verdade, na China, decidiu-se mudar para células sem cobalto, as LFPs mais baratas da fornecedora CATL. Existem também outras diferenças, pelo menos de acordo com o que relatou o jornalista chinês Yan Chang no final do ano passado.

  • Pintura: O Model 3 chinês deve se beneficiar de uma pintura mais moderna e, portanto, ter uma carroceria com acabamento mais refinado.
  • Insonorização: o automóvel também foi melhorado em termos de insonorização, os ocupantes gozam de maior isolamento acústico na cabine.
  • Resistência à água: no sedã "Made in China" também existem várias vedações e soluções que garantem uma melhor contenção das infiltrações de água.

Como o mercado reagirá?

O que é certo é que baterias diferentes levam a desempenhos diferentes (mesmo que não substancialmente diferentes) e, como vimos, a um custo de produção diferente. Portanto, resta saber se o que aconteceu pode ser considerado o início de uma nova estratégia global para a Tesla, que também pode exigir atualizações em termos de homologação e raciocínio diferente sobre os preços. A conferir.