Montadora sueca também entregou a sua primeira escavadeira elétrica ECR25

A Volvo começou a fornecer caminhões e equipamentos de construção civil com emissão zero. A empresa sueca, atuante na transição energética com a divisão automotiva e de caminhões (em parceria com a Mercedes), dá mais um passo na eletrificação também com o setor de Equipamentos de Construção da Volvo.

A Volvo CE começou a sua jornada em direção à mobilidade com emissão zero há dois anos. Em 2018, aliás, apresentou os primeiros protótipos movidos a bateria: veículos de diversos tipos para uso em pedreiras e canteiros de obras. Em 2019, então, anunciou que estava pronta para migrar totalmente para veículos verdes e que planejava interromper a produção de máquinas a diesel em breve: elas serão substituídas por veículos equivalentes movidos a bateria, sem emissões e sem ruído.

Galeria: Volvo FE Electric

Compromisso no canteiro de obras

Hoje a Volvo CE vai da teoria à prática e ontem entregou os primeiros veículos elétricos aos seus clientes. Isso foi realizado na França, onde uma escavadeira elétrica ECR25 e um caminhão elétrico Volvo FE entraram oficialmente em serviço.

volvo-camion-e-mezzi-da-lavoro-elettrici

Os dois veículos integraram a frota da empresa transalpina Eiffage e serão utilizados no âmbito do projeto de transporte Grand Paris Express realizado na capital francesa.

Estreia importante

"A entrega deste caminhão elétrico e máquina de canteiro de obras - disse Melker Jernberg, presidente da Volvo CE - representa o início de uma revolução no setor de construção civil e veículos de trabalho, que não permanecerá um produto de nicho, mas eles logo se espalharão no lugar de meios de combustão térmica".

A mudança ocorre apenas um dia após o anúncio com o qual a ACEA (European Automobile Manufacturers Association) anunciou que está trabalhando com o Instituto de Pesquisa de Impacto Ambiental de Potsdam para vender apenas caminhões e veículos pesados para emissões zero até 2040 e para fazer com que o setor se torne neutro em carbono até 2050.