A Mercedes-Benz já tem uma boa seleção de veículos elétricos à venda ou muito próximos de chegar ao mercado, mas todos os seus modelos menores ainda são baseados em carros a combustão. A porta de entrada atual na linha Mercedes EQ é o EQA, um SUV compacto que é basicamente um GLA movido a bateria. 

A fabricante já possui uma plataforma elétrica dedicada para sustentar seus veículos elétricos maiores (EQE e EQS) chamada MEA (abreviação de Modular Electric Architecture), mas ela ainda precisa de uma base para seus modelos menores. Chamada de MMA (Mercedes Modular Architecture), será usada em modelos da chamada linha Entry Luxury da montadora, o equivalente à linha atual de tração dianteira.

Galeria: Mercedes-Benz EQA 250 AMG Pack

No entanto, os veículos elétricos que substituirão as Mercedes compactas de hoje serão propostas mais caras e de alto padrão. De acordo com Markus Schafer, diretor de tecnologia da Mercedes:

"Os veículos da nossa plataforma de MMA de luxo de entrada serão baseados no MB. Arquitetura de software do SO pela primeira vez em 2024. Eles contarão com muitas inovações que derivam do programa de tecnologia por trás do Vision EQXX. Como parte disso, estamos redirecionando nosso portfólio e reduzindo, ao mesmo tempo, a complexidade. Nosso objetivo é conseguir isso com um número menor de alternativas. Em vez de sete, planejamos oferecer quatro modelos neste segmento."

Assim, o primeiro desses veículos elétricos baseados na arquitetura MMA estreará em 2024, e pode ser um rival mais sofisticado do Volkswagen ID.3, não um SUV (embora um equivalente crossover certamente será oferecido).

Galeria: Mercedes Vision EQXX

Será o equivalente elétrico do Classe A atual, então não devemos esperar que a Mercedes apenas o ofereça como um hatchback; esperamos ver pelo menos um sedã, talvez até algo mais esportivo. Em relação ao visual de seus modelos futuros, podemos olhar para estudos como o conceito Vision AMG ou a prévia de produção do EQXX para referência.

Ambos os veículos, embora possam parecer diferentes, têm um traço comum importante - ambos são muito baixos, têm uma seção traseira alongada e geralmente uma estética em forma de gota. Também vale a pena notar que esses futuros modelos elétricos Mercedes não serão sucessores diretos dos atuais Classe A, Classe B, CLA e outros (ou seus modelos equivalentes elétricos como o EQA retratado acima).

A montadora provavelmente criará novas linhas de modelos que serão posicionados de forma diferente para se encaixar melhor na linha EQ.

O número de estilos compactos de carroceria oferecidos será reduzido de sete para quatro à medida em que a Mercedes muda seu foco para o espectro mais alto de sua linha. Isso parece ser uma tendência entre as montadoras de luxo nos dias de hoje - elas estão cada vez mais subindo o nível do mercado onde você pode vender menos veículos, mas com margens de lucro melhores.