Marca alemã promete acelerar a eletrificação da gama antes do prazo previsto

Quando Oliver Zipse chegou ao comando da BMW há menos de dois anos, ele assumiu a liderança com uma tarefa muito específica: acelerar a transição energética. Hoje, o número um da Casa de Munique confirma os planos e conta como a empresa está focada no desenvolvimento de carros elétricos, concebidos como puros elétricos e híbridos plug-in.

"Estamos crescendo significativamente no campo dos carros movidos a bateria - disse o executivo ao jornal alemão Augsburger Allegemeine - e entre 2021 e 2023 produziremos 250.000 carros eletrificados (elétricos e híbridos plug-in) a mais do que o esperado".

Galeria: BMW iX

Entre carros e estações de carregamento

A meta da BMW, segundo declarações do próprio Zipse, é chegar a 2023 com carros "on tap" que representarão 20% de toda a produção. Um grande passo se você considerar que em 2020 a participação de emplacamentos desse tipo de carro era de 8%.

O chefão da marca bávara está convencido de que o objetivo é tangível, mas para facilitar a expansão dos carros elétricos ele pede - como muitos fabricantes - que seja dada atenção especial ao desenvolvimento da infraestrutura de carregamento, que ainda está por trás do desenvolvimento do segmento. (especialmente olhando para a onda de novos modelos elétricos chegando).

Os modelos esperados

Mas vamos olhar para o futuro, limitando-nos aos modelos puramente elétricos que a empresa pretende colocar no mercado nos próximos anos. Ao lado dos novos iX3 e iX e dos i3 e i8 que se preparam para sair de cena (o primeiro esperando por um substituto que poderia se chamar iX1, o outro talvez aposentado definitivamente), outros modelos de emissão zero serão lançados.

São os sedãs, com o Série 5 e o Série 7 em primeiro lugar, mas também o Série 3 e o i4 coupé, por exemplo. Sem esquecer a marca MINI, que por enquanto se concentra apenas no Cooper SE, mas que no futuro terá uma linha de elétricos muito mais articulada.